Publicidade

Correio Braziliense

Pontos culturais abandonados por anos no DF começam a ser reabertos

A lista de monumentos abandonados que começam a ser devolvidos à população após renovações conta com o Museu de Arte de Brasília


postado em 15/01/2018 06:00 / atualizado em 15/01/2018 09:10

Dos 271 pontos culturais distribuídos pela área central e nas regiões administrativas do Distrito Federal, 17 são administrados pela Secretaria de Cultura. Cinco deles estão fechados e vivem uma saga digna de filme. Com as portas trancadas para o público, os alunos e os artistas, o vazio assola as construções ao longo dos anos. Mas o anúncio dos trabalhos de revitalização e ampliação dos locais trouxe esperança para essa história, que também contada nas ruas de diversas cidades da capital  federal, por meio de iniciativas independentes do poder público.

A lista de monumentos abandonados que começam a ser devolvidos à população após renovações conta com o Museu de Arte de Brasília (MAB), desativado em 2007; o Teatro Nacional Claudio Santoro, lacrado para visitação em 2014; o Polo de Cinema e Vídeo Grande Otelo, fechado desde 2014; além do Centro de Dança, no Setor de Autarquias Norte, e do Espaço Cultural Renato Russo, na 508 Sul, com atividades suspensas desde 2013.

A reforma do Museu de Arte de Brasília foi iniciada em setembro do ano passado(foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
A reforma do Museu de Arte de Brasília foi iniciada em setembro do ano passado (foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)


A expectativa era reabrir esses dois últimos locais no segundo semestre de 2017, mas as reformas atrasaram. Agora, a Secretaria de Cultura planeja inaugurar os espaços renovados em janeiro e março, respectivamente. As aulas do Centro de Dança devem voltar após o carnaval. Lá, as obras custaram mais de R$ 3 milhões. Embora a fachada esteja pronta, uma das portas de entrada está sem vidro e escorada somente por um pedaço de madeira. A parte interna continua vazia.
 
No Espaço Renato Russo, o valor gasto ultrapassou R$ 4,9 milhões. Os escombros da reforma ainda estão acumulados em um dos cantos internos, que ganhou nova estrutura no teto. Na área externa, permanecem as rachaduras e as cores dos grafites nas paredes perderam a força.

A ampliação e revitalização estrutural do MAB foi iniciada em setembro do ano passado, com orçamento de quase R$ 7,7 milhões. A previsão de entrega é 13 de outubro. O trabalho dos pedreiros começa a dar uma nova cara ao museu, abandonado por 10 anos. Ali, os únicos sons são os da betoneira, da furadeira e das conversas entre os trabalhadores. O antigo acervo incluía obras de Tarsila do Amaral e Iberê Camargo, transferidas para o Museu Nacional, na Esplanada dos Ministérios.

O Polo de Cinema e Vídeo Grande Otelo será substituído pelo Parque Audiovisual, segundo a Secretaria de Cultura. Não há previsão para o início das obras, mas o espaço será construído no Trecho 3 do Setor de Clubes Esportivos Sul. A reabertura do Teatro Nacional ocorre em partes. O Foyer da Sala Villa-Lobos foi reaberto ao público em 7 de dezembro, e a primeira fase da reforma, na Sala Martins Penna, ainda não começou.

A cidade vive

Enquanto pontos culturais no Plano Piloto são revitalizados para se destacarem em meio ao concreto, comunidades locais se encarregam da tarefa de manter a cultura viva no DF. Com esforço próprio, elas enchem cada região de cores, de arte e de transformação social. Espaços abandonados, antes temidos pelos moradores, agora são um chamado à participação e ao engajamento da comunidade, que encontra atividades gratuitas e produtos e serviços oferecidos por pequenos empreendedores locais, em um ciclo virtuoso que amplia as opções de cada região. Confira a seguir as histórias de alguns desses projetos.

Beco da Cultura

Um dos primeiros centros comerciais de Brasília, construído em 1950, o Mercado Sul, localizado na QSB 12/13, em Taguatinga Sul, começou a se destacar na cena cultural a partir de 1980. 

Com os artesãos, floresceu o desejo por um espaço que respirasse cultura. Em 2015, artistas ocuparam as lojas abandonadas no local, expandindo a atuação dos coletivos. A partir daí, o movimento ficoua conhecido como Mercado Sul Vive, conforme explica a produtora cultural Dani Rueda, 33, (foto) moradora de Taguatinga Sul. “Um dos espaços ocupados estava vazio há 17 anos. Temos um processo judicial, mas nos foi permitido continuar no local até o julgamento, que determinará se ficamos com as lojas ou não”, afirma.

No total, são quatro lojas ocupadas. Uma é chamada de Casa Multiuso, que passa por reforma. A Casa de Ofício agrega a loja do Bicicentro, de aluguel, oficinas e montagem de bicicletas; a costuraria; a Ecoloja, de economia solidária e com materiais biodegradáveis; e o Becomposto, de agricultura urbana. 

Em 10 de fevereiro, a partir das 15h, a tradicional Ecofeira terá a primeira edição de 2018, com apresentações culturais, feira artesanal e comidas. 
 
O Mercado Sul foi um dos primeiros centros comerciais de Brasília, construído em 1950(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
O Mercado Sul foi um dos primeiros centros comerciais de Brasília, construído em 1950 (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

União cultural

Localizada em Taguatinga Norte, a ocupação do Batalhão das Artes cresce em meio à praça abandonada da Associação Comercial e Industrial de Taguatinga (Acit). Em julho de 2017, o antigo posto da Polícia Militar recebeu coletivos de todo o DF, que viram no espaço uma possibilidade de fomento à cultura. 

A artista popular Tetê Alcândida, 58, (foto) moradora do Sol Nascente, explica o objetivo dos trabalhos. “A proposta é que façamos atividades de utilidade pública. Por isso, somos vários grupos reunidos em prol de ações culturais e opções de lazer para trazer vida à praça, que foi esquecida pelos moradores”, relata. A ocupação colaborativa conta com mais de 13 coletivos. 

Em fevereiro, o espaço oferecerá oficinas e feiras de artesanatos nas segundas e terças-feiras, em horário comercial. As coloridas paredes, grafitadas pelo grupo Mulheres Grafiteiras, substituíram a paisagem monocromática. O local ganhou ainda um canteiro de horta urbana, com árvores frutíferas que dão abacate e maracujá. “Queremos realizar uma casa de farinha no quintal e plantar árvores pela praça. Também estamos recebendo doações de livros, geladeiras velhas e estantes, para montarmos bibliotecas abertas nas redondezas”, afirma Tetê.

Transformação pela capoeira

Tambor, pandeiro e berimbau ditam o ritmo das palmas e dos cantos em iorubá — língua oriunda das religiões de matriz afro-brasileira, como o Candomblé — que ecoam no beco na QNP 1/5 do setor P Norte, em Ceilândia. Enquanto isso, os corpos dançam equilibrados, em um jogo de capoeira na área externa do Espaço Cultural Filhos do Quilombo, criado em meados de 2010. “Como o lugar ficou vazio, a área ficou degradada e moradores temiam passar aqui, por ter se tornado um local de assalto e tráfico”, aponta o agente cultural e líder comunitário Thiago Dutra da Silva, 27, o Lagartixa. Agora, o objetivo é ampliar o espaço com um teatro de arena feito de pneus e cimento, uma casa de farinha no quintal, a construção da praça Quilombo, além de uma sala de computação, tudo para atender a comunidade.

O Quilombo se tornou referência para Matheus Damascena, 21, professor de capoeira e participante do projeto. “A capoeira mudou minha vida completamente. Eu comecei bem novo e vi que não compensa ficar na rua, a esmo. Hoje, a capoeira não é apenas identificação cultural, mas a minha profissão”, ressalta. Com o tempo, o projeto se expandiu para outras áreas de Ceilândia. Além do espaço cultural, quadras poliesportivas, escolas e espaços de cultura como o Menino de Ceilândia recebem as aulas de capoeira.
 
Escolas e espaços de cultura como o Menino de Ceilândia recebem as aulas de capoeira(foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
Escolas e espaços de cultura como o Menino de Ceilândia recebem as aulas de capoeira (foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)

Música e oficinas

Em um descampado da EQ 304/307, atrás de uma escola pública, em Santa Maria Sul, um galpão se destaca. O espaço, ocupado em agosto de 2011 pelo coletivo Família Hip-Hop, oferece serviços gratuitos aos moradores. Ocupado, pertencia à antiga Associação da Criança e do Adolescente (Acac), desativada em 2006. A ocupação começou com o encontro Mutirão Hip-Hop, conforme explica Alex Martins Silva, 43 anos, (foto) coordenador do Espaço Cultural Moinho de Vento e do Família Hip-Hop. “Realizamos uma limpeza completa no espaço, jogando fora os materiais que tinham apodrecido com o tempo. Depois, colocamos telhas e arrumamos tudo. Fizemos grafites nas paredes, enquanto rolava muito break e rap”, relembra.

O coletivo mantém um estúdio de produção musical, que passará por uma reforma estrutural, a fim de melhorar o espaço. Ainda há oficinas de dança, de teatro e de serigrafia. Tudo de graça. “As pessoas que agora compõem o coletivo são mais jovens, que fizeram aulas conosco e quiseram fortalecer o movimento. Mas os nossos trabalhos são abertos a todos, quem quiser apenas aprender, é só vir também”, convida Alex.
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade