Publicidade

Correio Braziliense

Testemunha de acidente no Lago Norte pede mais segurança a pedestres

O aposentado Benedito Souza, 67 anos, descreve como uma cena horrível o acidente que matou casal de idosos na quinta-feira. Para ele, pista é insegura para quem caminha pelo bairro


postado em 20/01/2018 15:46 / atualizado em 20/01/2018 15:58

Benedito Souza costuma passear com o filho cadeirante na ciclofaixa do Lago:
Benedito Souza costuma passear com o filho cadeirante na ciclofaixa do Lago: "Carros passam muito perto" (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)


Testemunha do acidente que matou o casal Evaldo Augusto da Silva, 75 anos, e Dulcineia Rosalino da Silva, 72, o aposentado Benedito Souza, 67 anos, não se esquece do que presenciou. “Eu estava voltando para casa com a família quando escutamos um estrondo. Uma cena horrível”, contou. 


Morador da QL 2, o aposentado caminha frequentemente com o filho cadeirante no trecho da ciclofaixa onde ocorreu o acidente. “Não é seguro. O espaço é pequeno, os carros passam rápido e próximos. E não temos opção, pois a calçada é intermitente”, disse. 

Ele lembrou um episódio tenso vivido com o filho na ciclofaixa: “Estávamos caminhando, e eu estava com um guarda-chuva para protegê-lo. Um ônibus passou tão próximo de nós que levou o guarda-chuva”. Há cerca dois meses, a velocidade máxima da pista foi reduzida de 70km/h para 60km/h. A medida foi adotada com o objetivo de reduzir acidentes na pista do Lago Norte.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade