Publicidade

Correio Braziliense

Volta às aulas das escolas particulares terá retorno de 200 mil alunos

Na maior parte das escolas particulares do DF, o ano letivo começa esta semana. Fluxo de carros deve aumentar 40%


postado em 29/01/2018 06:15 / atualizado em 31/01/2018 12:44

(foto: CB/D.A Press)
(foto: CB/D.A Press)

Depois de cerca de dois meses de folga, alunos das escolas particulares de Brasília retornam às aulas a partir desta segunda-feira (29/1). Nem todos voltam à ativa ao mesmo tempo: alguns colégios têm datas de início de ano letivo para cada etapa (ensinos infantil, fundamental e médio). Até o fim da semana, os cerca de 200 mil estudantes que não frequentam instituições da rede pública de ensino estarão estudando. Esta é a previsão de Álvaro Domingues, presidente do Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do DF (Sinepe/DF), que observa que 80% das unidades de ensino credenciadas passam a ter aulas até sexta-feira.

“Há 503 escolas particulares na capital, mas apenas 180 filiadas, das quais 150 abrirão nesta semana”, afirma. No entanto, a quantidade de colégios que iniciam o ano letivo por agora é bem maior, pois mesmo as não ligadas ao Sinepe devem funcionar normalmente neste período. “São poucos os que só iniciarão as atividades depois do carnaval”, analisa.

A mudança causará grande impacto no trânsito. Segundo o Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran-DF), o fluxo de carros deve aumentar em 40%. O órgão passou as últimas semanas fazendo vistoria em transportes escolares e, segundo o diretor-geral do departamento, Silvaim Fonseca, a fiscalização das vans nas imediações das escolas começa hoje. Além disso, ontem foi gravada uma campanha de volta às aulas, que deve ser divulgada na próxima semana.

Readaptação

Isabela Araújo, 11 anos, passa a estudar no turno matutino hoje. Nos últimos quatro dias, estava tão ansiosa com a mudança que começou a se deitar mais cedo e acordar às 6h. A estudante tomou uma medida simples, que é consenso entre educadores. “É importante acostumá-los à rotina com alguns dias de antecedência, para que o baque não seja grande quando voltarem”, explica a psicopedagoga Karine Soares. A mãe Ângela Araújo, 48, personal stylist, ficou orgulhosa da atitude da filha, ao mesmo tempo em que acha graça. Ela explica que tenta estimular a independência de Isabela e do filho mais novo, João, 7, deixando que eles acordem e se levantem sozinhos, com despertador próprio. Claro que, às vezes, as crianças estão mais cansadas e precisam de ajuda.

“A Isabela até faz ovo que gosta de comer no café da manhã”, exalta. Umas das principais mudanças na rotina dos filhos será a restrição no uso de celular, tablet, computador. “Durante as férias, libero mais porque tanto eles quanto eu temos mais tempo: eles, para brincar e eu, para controlar o que estão fazendo”, conta. Quando o ano letivo começa, os dispositivos ficam reservados só para o fim de semana. Além disso, os horários de almoço e jantar ficam mais rígidos e a família volta a fazer as refeições em conjunto.  E claro: a hora de fazer dever de casa é reinserida à rotina.

Para estudantes de primeira viagem

Estreia na vida acadêmica
» Para quem passa pela experiência de deixar o filho pequeno na escola pela primeira vez, a dica é não transparecer insegurança. O momento já é difícil para a criança, que começará a ter vida social longe dos pais. “Os filhos percebem a insegurança e a tristeza dos pais e pensam: ‘Mamãe está triste. Vai acontecer alguma coisa ruim’. Então, a atitude dos pais é determinante”, explica Luciana Delella, psicóloga especializada em crianças. “A criança vê tudo de forma literal, não tem o mecanismo de reversibilidade, então, um ‘tchau’ soa como algo definitivo”, completa a psicopedagoga Nancy de Fátima Silva. Por isso, é interessante aumentar o tempo que a criança fica na escola de forma gradual. Muitos colégios têm horário diferenciado no primeiro mês de aula.

Confira dicas que podem facilitar o processo de levar o filho ao colégio pela primeira vez

» Não ceder ao choro e levar a criança para casa.
» Permitir que ela leve algum brinquedo ou objeto de casa para a escola, para que algo seja familiar para ela.
» Buscá-la mais cedo nos primeiros dias ou até nas primeiras semanas.
» Transmitir o máximo de segurança para a criança.


Ônibus continuam reduzidos

Durante as férias escolares, há redução de 25% do número de passageiros. Por isso, em dezembro, quando as férias começaram, aproximadamente 390 linhas de ônibus sofreram alterações na quantidade de viagens. Apesar de boa parte dos estudantes voltarem às aulas nesta semana, a mudança permanece em vigor até 14 de fevereiro, quando alunos da rede pública voltam às escolas. Usuários do transporte público podem consultar horários das 390 linhas readequadas no site: www.dftrans.df.gov.br.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade