Publicidade

Correio Braziliense

Desemprego cresce no DF e a média anual foi de 315 mil pessoas sem trabalho

Apesar de 36 mil postos de emprego terem sido criados, nem toda a população economicamente ativa do DF conseguiu entrar no mercado de trabalho


postado em 31/01/2018 12:25 / atualizado em 02/02/2018 17:08

Dezembro registrou redução na taxa de desemprego, e estatística do ano passado foi inferior em relação a 2016(foto: Augusto Fernandes/Esp.CB/D.A. Press)
Dezembro registrou redução na taxa de desemprego, e estatística do ano passado foi inferior em relação a 2016 (foto: Augusto Fernandes/Esp.CB/D.A. Press)


Durante todo o ano de 2017 uma média de 315 mil pessoas ficaram sem trabalho. A taxa total elevou-se de 17,8% para 19,3% entre 2016 e 2017. Em 2016, a média foi de 277 mil desocupados. Os dados são da da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED), realizada pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) em parceria com a Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan).

De acordo com a análise do estudo, o número de postos trabalho aumentou em 2,8% em relação a 2016. Entretanto, a geração de 36 mil novos postos foi insuficiente para absorver o crescimento da População Economicamente Ativa (PEA) da região. 


Os setores que contribuíram para a criação de vagas foi o de Serviços, no Comércio, Reparação de Veículos Automotores e na Indústria de Transformação. 

Análise mensal

Na análise mensal, dezembro fechou com 292 mil desempregados, número inferior ao mesmo período do ano passado. Para o presidente da Codeplan, Lúcio Rennó, os dados mostram um cenário positivo. Isso porque, a partir de maio passado, a taxa de desemprego começou a cair e terminou o ano em queda. Em novembro, o desemprego estava em 18,4% (300 mil pessoas). Em dezembro, caiu para 17,9% (292 mil pessoas).

"As notícias são boas. Nós tivemos uma redução na taxa, que ficou próxima à média histórica de desempregos no Distrito Federal, que é de 17%. E nossa expectativa é que isso continue e se aprofunde em 2018", comentou Rennó.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade