Publicidade

Correio Braziliense

Câmara Municipal de Planaltina (GO) é alvo de busca e apreensão

Ministério Público e Polícia Civil de Goiás investigam fraudes em licitações e superfaturamento na aquisição de bens por parte do Legislativo da cidade


postado em 01/02/2018 19:02 / atualizado em 01/02/2018 21:35

(foto: Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press - 16/3/2017)
(foto: Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press - 16/3/2017)


A Câmara Municipal de Planaltina de Goiás foi alvo de uma ação de busca e apreensão na manhã desta quinta-feira (1º/2). Promotores do Ministério Público de Goiás (MPGO) e agentes da Polícia Civil do estado (PCGO) cumpriram mandados judiciais para investigar fraudes em processos licitatórios efetuados pela sede do Poder Legislativo na cidade do Entorno do Distrito Federal.

Leia as últimas notícias do Distrito Federal

Ainda durante a ação, um servidor da Prefeitura de Planaltina foi preso preventivamente, após denúncia da 4ª Promotoria de Justiça do MPGO. Ele agora responde a processo pelo crime de concussão (exigência de vantagem indevida).

De acordo com informações do MPGO, a presidência da Câmara de Vereadores do município realizou contratações de bens e serviços ao longo de 2017 com indícios de fraude. O órgão também investiga a existência de contratos administrativos fechados de forma direta, sem procedimento licitatório ou cumprimento da Lei de Licitações, e indicativos de superfaturamento na aquisição de bens.

O juiz Carlos Gustavo Fernandes de Morais, da 1ª Vara Criminal de Planaltina, expediu o mandado de busca e apreensão com o intuito de permitir que o MPGO reúna provas para embasar a atuação do órgão nas etapas seguintes e a elaboração da denúncia.

Em contato com a PCGO e com o MPGO para obter mais detalhes a respeito das investigações, a reportagem não conseguiu falar com o promotor do Ministério Público goiano Rafael Simonetti Bueno da Silva, à frente das investigações, nem com o delegado Bruno Ramos Mendes, da Delegacia de Polícia de Planaltina, que coordenou a equipe da Polícia Civil durante a ação.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade