Publicidade

Correio Braziliense

Cine Drive-In recebe título de Patrimônio Cultural e Material do DF

O evento lotou as 400 vagas de carros, mostrando que o espaço de lazer, modernizado e com filmes novos em cartaz, volta a fazer parte da agenda brasiliense


postado em 02/02/2018 21:54 / atualizado em 02/02/2018 23:21

Após mais de quatro décadas de existência, Cine Drive-In agora é Patrimônio Cultural e Material da cidade(foto: Luis Nova/Esp. CB/ D.A. Press)
Após mais de quatro décadas de existência, Cine Drive-In agora é Patrimônio Cultural e Material da cidade (foto: Luis Nova/Esp. CB/ D.A. Press)
Assitir a um filme em um megatelão não precisa ser necessariamente dentro de uma sala fechada. Os brasilienses podem ter o prazer de desfrutar do momento de lazer de dentro do próprio carro ou em um piquenique, com uma toalha estendida no chão. O áudio do longametragem é sintonizado pelo rádio do veículo e o esquema fica ainda mais atraente para casais quando o céu está limpo e o filme pode ser curtido sob a luz do luar e das estrelas. Sim, a céu aberto. O Cine Drive-In de Brasília, um dos points mais tradicionais de Brasília, celebrou nesta sexta-feira (2/2) uma importante conquista: a declaração do espaço como Patrimônio Cultural e Material do Distrito Federal.  

Durante o evento de comemoração foram exibidos o documentário Cine Drive-in – Cinema sob o Céu, de Cláudio Moraes e o longa metragem O Último Cine Drive-in, dirigido por Iberê Carvalho. Além dos filmes, os brasilienses puderam aproveitar uma praça de alimentação repleta de foodtrucks, que contou com a presença de um DJ. Como já era de se esperar, as vagas de carro destinada aos clientes ficaram lotadas, mostrando que o Cine Drive-In não é só uma lembrança, mas está a todo vapor. 
 

As sessões, sejam elas ao ar livre ou dentro dos carros, fazem parte da vida e da história de muitos brasiliense. É o caso do advogado Rafael Castelo Branco, 43 anos. "Sou cliente do Drive-In desde a minha juventude e nunca larguei. Aqui faz parte da minha vida". Agora, Rafael compartilha a paixão pelo cinema fora das salas fechadas com a mãe, Maria Lúcia Catelo Branco, 68, a esposa, Vilma Carvalho, 43, e a filha, Maria Fernanda Castelo Branco, de 6 anos. Apesar da pouca idade, a pequena já garante que, para ela, essa é a melhor maneira de ver filmes. "Eu gosto muito daqui e é melhor porque é mais quentinho, eu posso comer tudo e a gente vê filme bem confortável, cheio de almofada e com o paninho no chão. Quando eu crescer vou trazer toda minha família também", planeja.
 
O advogado Rafael Castelo Branco frequenta o Cine Drive-In desde a adolescência. Agora, sempre traz toda a família para viver a experiência(foto: Luis Nova/Esp. CB/ D.A. Press)
O advogado Rafael Castelo Branco frequenta o Cine Drive-In desde a adolescência. Agora, sempre traz toda a família para viver a experiência (foto: Luis Nova/Esp. CB/ D.A. Press)

Apesar da clientela fiel, por muito tempo o espaço viveu tempos de decadência. O Cine Drive-In quase fechou as portas e a sócia proprietária e administradora do local, Marta Fagundes, 57 anos, teve que tomar uma decisão: "Ou o Cine Drive-in acabava ou eu comprava o projetor digital para dar qualidade às reproduções". Foi modernizando os equipamentos e trazendo lançamentos de filmes toda a semana que os donos conseguiram chamar mais público e fazer reacender essa opção de lazer no quadradinho. "Como é um estilo de cinema diferente, eu acreditei nele. Hoje, com a lei, ele não pode ser demolido e vai continuar sendo parte de Brasília. Para mim, o título de patrimônio cultural e material é uma conquista não só profissional, mas pessoal”, contou Marta. 
 
A sócia proprietária, Marta Fagundes, acompanha a história do Cine Drive-In desde a infância, quando o pai administrava o local(foto: Luis Nova/Esp. CB/ D.A. Press)
A sócia proprietária, Marta Fagundes, acompanha a história do Cine Drive-In desde a infância, quando o pai administrava o local (foto: Luis Nova/Esp. CB/ D.A. Press)

O título veio por meio da Lei 6.055/2017 e trouxe uma forma de impedir o fim do único cinema da modalidade na América Latina, não permitindo que a área seja utilizada para atender interesses imobiliários. Autora do projeto é a deputada distrital Luzia de Paula. "Esse é um momento histórico para a nossa cidade", celebrou. 

O governador Rodrigo Rollemberg também esteve na solenidade e frisou a importância da preservação de espaços culturais na capital federal. "O Cine Drive-In faz parte da vida de muita gente e dessa cidade que tem uma produção cinematográfica muito viva. Tenho convicção que a cultura tem um papel muito importante para o desenvolvimento social". 

Para os profissionais e apaixonados em cinema, fica a certeza de que o lendário espaço de lazer que guarda tantas histórias, continua funcionando e poderá construir novas experiências artísticas e culturais para as próximas gerações.  


Cine Drive-in

 

O Cine Drive-in de Brasília funciona desde 1973 e, à época, apesar de contar com uma das maiores estruturas e capacidade de público, era uma modalidade popular no país. Passadas mais de quatro décadas, o Cine Drive-In da capital é o único em funcionamento no Brasil e na América Latina. O local pode receber até 400 carros, e aproximadamente sete mil pessoas por mês assistem filmes na tela de concreto que mede 312 metros quadrados, a maior do país. O Cine Drive-In fica na região central de Brasília, dentro do Autódromo Nelson Piquet. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade