Publicidade

Correio Braziliense

Esgoto tratado de Vicente Pires e Águas Claras deixa de ir para o Paranoá

Esgoto de parte de Vicente Pires e de Águas Claras vão passar a ser recebidos pela unidade de tratamento de Águas Claras, em fase final de construção. Hoje, os rejeitos são tratados por estação do Lago Paranoá


postado em 05/02/2018 15:28 / atualizado em 05/02/2018 16:37

Nova estação de tratamento pode auxiliar cerca de 130 mil habitantes(foto: Dênio Simões/Agência Brasília)
Nova estação de tratamento pode auxiliar cerca de 130 mil habitantes (foto: Dênio Simões/Agência Brasília)

A elevatória de Esgotos Águas Claras, no Setor Habitacional Bernardo Sayão, às margens da Estrada Parque Taguatinga (EPTG), entrou na fase de acabamento das obras. Após a instalação de maquinários, a unidade estará apta a receber esgoto de parte de Vicente Pires e de Águas Claras. Aproximadamente 130 mil habitantes das duas regiões serão atendidos pela nova estação.


Em visita ao local na manhã desta segunda-feira (5/2), o governador de Brasília, Rodrigo Rollemberg, ressaltou a importância da construção da unidade, que pode contribuir na captação das águas do Lago Paranoá. Em outubro do ano passado, elas passaram a ser utilizadas para reduzir os problemas de abastecimento no Distrito Federal. No entanto, o lago também recebe esgoto tratado, e hoje, os rejeitos de Águas Claras são transportados para a Estação de Tratamento de Esgotos Sul (ETE Sul), que tem o Lago Paranoá como receptor. Após o término das obras da elevatória, isso vai deixar de acontecer. 

"Vamos poupar o Lago Paranoá, que é um espaço de lazer da população e também de captação de água", disse Rollemberg. No entanto, o governador evita em falar no fim da crise hídrica e do racionamento em Brasília. "Com a chuva, esperamos chegar a 55% do Descoberto no carnaval, mas precisamos esperar o fim do período chuvoso para saber o volume de água que teremos armazenado e, então, tomar uma decisão", apontou. 
 
Hoje, na última medição feita pela Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento (Adasa), os principais reservatórios do Distrito Federal registraram aumento no volume útil. O Descoberto passou de 47% para 48,2%, enquanto o Santa Maria teve variação de 36,7% para 37,2%. Por enquanto, os valores de referência para fevereiro foram superados: era aguardado pelo menos 32% para o Descoberto e 36% para o Santa Maria.
 
O governador também destacou que a elevatória vai auxiliar os moradores de Vicente Pires, pois cerca de 40% da cidade ainda utiliza fossa sanitária. "Temos a rede de esgoto praticamente pronta em Vicente Pires e agora poderão ser feitas as ligações que levarão o esgoto para ser tratado na Estação de Tratamento de Esgotos Melchior (em Samambaia)", explicou. 
 
Na elevatória de Águas Claras, três bombas com potência de 500 cavalos cada uma vão ser utilizadas (sendo uma delas de reserva). O sistema também vai suportar vazão de 546 litros por segundo e contará com um gerador de emergência para o caso de pane no fornecimento de energia. O valor da obra pode chegar a R$ 5,7 milhões.
 
Com informações da Agência Brasília

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade