Publicidade

Correio Braziliense

Análise: 'Há riscos de desabamentos em outros prédios'


postado em 06/02/2018 07:48 / atualizado em 06/02/2018 10:38

(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

 
Esse desabamento na SQN 210 pode ter sido causado por uma série de fatores, como a idade da edificação, rachaduras ou infiltrações não vistas ou até mesmo a falta de manutenção.

Sobre a questão do avanço do subsolo dos prédios, isso é permitido por lei e garante que, para atender o número de vagas para os moradores, pode ser de até 155% da área de projeção. A legislação diz que essas lajes devem ser calculadas e dimensionadas para uma sobrecarga de um peso de um caminhão do Corpo de Bombeiros, do Serviço de Limpeza Urbana, entre outros. Então, em um primeiro momento, acredito que o desabamento não foi causado por uma falta de dimensionamento correto ou problema de execução de obra. Caso fosse, esse problema de desabamento já teria acontecido bem antes.

Quando se fala em questão de vistorias constantes, não existe uma legislação específica para o assunto, até mesmo porque Brasília ainda é considerada uma cidade nova e não tem registros constantes de acidentes assim. A orientação é de que prédios com idade superior a 25 anos passem a desenvolver laudos de inspeção a cada cinco anos. São essas análises que vão apontar algumas incorreções a serem reparadas para ser feita uma manutenção pontual.

Essas perícias apontam tudo, desde a parte estrutural, instalação de equipamentos de prevenção contra incêndios, centrais de gás, entre outros. Por isso é importante o papel do síndico, que responde civil e criminalmente por qualquer dano. Ele, como autoridade, deve incentivar e buscar a aprovação nas assembleias dessas vistorias.

Quando se pergunta se há riscos de desabamentos em outros prédios, a resposta é positiva. Todos os edifícios construídos dessa mesma maneira, com avanço no subsolo, correm o risco, por isso a importância do cuidado.

A cultura hoje é com a estética do prédio e acaba se esquecendo da estrutura.

* Fátima Có é presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do DF (Crea-DF)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade