Publicidade

Correio Braziliense

Artista pode vender imagens de santos retratados como ícones pop

Justiça goiana suspende liminar que impedia brasiliense de vender e expor esculturas de santos e santas vestidos como Malévola e Mulher Maravilha, entre outras personagens


postado em 07/02/2018 15:15 / atualizado em 07/02/2018 19:34

Imagens de Nossa Senhora satirizavam personagens como Malévola, Batgirl e Galinha Pintadinha(foto: Gustavo Moreno/CB/D.A Press)
Imagens de Nossa Senhora satirizavam personagens como Malévola, Batgirl e Galinha Pintadinha (foto: Gustavo Moreno/CB/D.A Press)
 
A Justiça goiana suspendeu a liminar que impedia a comercialização e exposição das esculturas em gesso de santos católicos pintados como personagens da cultura pop. A artista plástica Ana Paula Lima, conhecida como Ana Smile, pode agora vender e exibir obras da marca Santa Blasfêmia. Há imagens, por exemplo, de Nossa Senhora Aparecida retratando ícones como Galinha Pintadinha, Chapolin Colorado e Mulher Maravilha.

O desembargador da 6ª Vara Cível de Goiás, Norival Santomé, entendeu que a primeira liminar obtida pela Arquidiocese de Goiânia apresenta risco ao trabalho da artista. Conforme escrito pelo magistrado, a decisão anterior  "impede que a agravante (Ana) desenvolva seu labor, sua arte, seu intelecto, sua livre manifestação e, principalmente, aufira renda capaz de garantir seu próprio sustento".
 
Em resposta ao Correio, a Arquidiocese de Goiânia disse que só vai se pronunciar sobre o caso após o julgamento do processo, ainda tramitando no Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO). A Endossa, loja onde a artista colocava as esculturas para venda, disse que respeita as decisões judiciais. "As portas para Ana voltar a vender seus artigos aqui estão abertas", afirmou Victor Parucker, sócio-presidente da empresa.  
 

Justiça havia proibido a venda e a exposição das peças 


Em maio de 2016, a Arquidiocese da capital do Estado de Goiás obteve mandado de segurança no TJGO contra a comercialização e a exibição das esculturas de Ana Smile. A multa em caso de descumprimento chegava a R$ 50 mil diários. Além da artista, uma loja da Endossa, na 306 Sul, foi obrigada a retirar todos as obras da escultora brasiliense que reside em Goiânia.

Postagens nas redes sociais com fotos das esculturas revoltaram católicos. À época, a Arquidiocese de Goiânia alegava "ofensa à coletividade, violando o sentimento religioso ao empregar escárnio, sátira e ironia". Procurada, a entidade ainda não respondeu se vai recorrer da decisão. 

O que dizem as leis


Art. 208 do Código Penal — Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função
religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso. Pena: detenção, de um mês a um ano, ou multa. Parágrafo único— Se há emprego de violência, a pena é aumentada de um terço, sem prejuízo da correspondente à violência.
 
Art. 5º, IX — é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade