Publicidade

Correio Braziliense

Prata da Casa: dupla vai representar o DF em evento de gafieira

Maísa Montes e Ariel Muniz foram selecionados em uma audição do Gafieira Brasil 2018. Eles contam como se encontraram e formaram uma parceria na dança


postado em 09/02/2018 22:06

Uma dupla de dançarinos brasilienses foi selecionada para representar a cidade no maior evento de samba de gafieira do mundo. É a primeira vez que Brasília será representada na competição. Maísa Montes, 30 anos, Ariel Muniz, 32, foram selecionados após uma audição do Gafieira Brasil 2018, em dezembro do ano passado, no Rio de Janeiro. Além da parceria no evento, os dois também são renomados professores de dança em Brasília e, através da dança, levam alegria e qualidade de vida para outros brasilienses.

Maísa, que também é advogada, conta que dança desde criança, influenciada pelos pais. "Eles sempre gostaram de dançar. Entraram em uma escola de dança e, como sou filha única, não tinha com quem ficar. Eu ficava assistindo e comecei a me interessar", relata. Ao notar o talento da filha ainda na adolescência, a mãe, Chaina Montes, matriculou a jovem em uma escola de dança. "Mas eu estudava muito. Se não tirasse nota boa, meus pais não deixavam eu dançar. Até para ganhar um figurino novo eu tinha que ir bem na escola."

Veja a apresentação da dupla no Correio Braziliense:



Já Ariel conta que, no começo, não se interessava muito pela dança, mas também foi influenciado pela mãe. "Na época, era difícil encontrar cavalheiros. Então, ela [mãe] não tinha com quem dançar. Era uma espécie de acordo: durante a semana eu ia para as aulas com ela. E nos finais de semana eu jogava bola."

Em 2003, os dois se encontraram em um baile de dança. "A gente nem se falava. Só dançava mesmo", expõe a advogada. À época, o rapaz foi convidado para um campeonato. Como não tinha parceira, convidou Maísa para participar. Os dois ensaiaram por dois dias e ganharam o campeonato. Desde então, estabeleceram uma parceria de sucesso.

Além das aulas de dança, Maísa e Ariel também fizeram apresentações em outros países. Eles encorajam que as pessoas procurem uma escola de dança, seja para aperfeiçoar um talento natural ou para manter a saúde e a qualidade de vida. "Pessoas que dançam são mais felizes", defendeu Ariel. Maísa conta que já teve alunos com doenças degenerativas progressivas que melhoraram significativamente com as aulas. "A dança me faz sentir viva. Faz a vida ter sentido. Queria que todos sentissem isso", comenta a professora.

É a primeira vez que Brasília será representada na competição(foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
É a primeira vez que Brasília será representada na competição (foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)

Preparação com treinos intensos

A competição de samba de gafieira acontecerá no final de março, mas Ariel e Maísa vão para o Rio de Janeiro em fevereiro para participarem de uma quarentena de preparação, junto a outros 12 casais competidores. A decisão ficará por conta de profissionais renomados no mundo da gafieira. 

A preparação inclui treinos diários, preparação física, musculação, alimentação adequada e descanso. A dupla conta também com a orientação do técnico carioca Vinícius Villiger e da parceira dele, Flávia. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade