Publicidade

Correio Braziliense

Vandalismo danifica 42 vagões do metrô durante carnaval brasiliense

Imagens mostram danos a janelas, bancos, extintores e botões dos carros. Cinco trens ainda permanecem em manutenção e só devem voltar a circular na próxima segunda-feira


postado em 14/02/2018 18:19 / atualizado em 19/02/2018 18:38

Segundo levantamento do Metrô-DF, 220 objetos foram danificados no interior dos carros em quatro dias de festa(foto: Reprodução)
Segundo levantamento do Metrô-DF, 220 objetos foram danificados no interior dos carros em quatro dias de festa (foto: Reprodução)
Ao menos 42 dos 116 vagões do metrô do Distrito Federal saíram de operação durante o carnaval, após atos de vandalismo na volta para casa dos foliões. Imagens obtidas pelo Correio mostram janelas trincadas, extintores de incêndio danificados, botões de emergência removidos e sangue no interior dos carros. Servidores da Companhia do Metropolitano do Distrito Federal (Metrô-DF) e passageiros também encontraram danos nas escadas rolantes e sujeira nas plataformas. Cinco dos carros afetados ainda não voltaram a circular. A previsão é de que isso ocorra somente na próxima segunda-feira (19/2).

O Metrô-DF emitiu, na tarde desta quarta-feira (14/2), nota oficial com levantamento sobre as ocorrências registradas entre sábado (10/2) e esta terça-feira (13/2). O problema causou danos a 42 vagões e ocasionou a paralisação de cerca de 19 das 973 viagens realizadas no período. Segundo o levantamento, 48 janelas, 25 portas, 118 capas de botões de emergência, cinco luminárias e 21 extintores foram danificados, além de três trens que foram pichados. 

O diretor de Operação e Manutenção do Metrô-DF, Carlos Alexandre da Cunha, lamentou o ocorrido e afirmou que o serviço público de transporte é custeado por todo cidadão e deve ser "respeitado e preservado pelos usuários". "Além de ser crime e causar danos ao patrimônio público, que é de todos nós, eles colocam em risco a segurança dos passageiros e dos próprios autores dos atos de vandalismo", comentou o diretor. 
 
Ver galeria . 9 Fotos Reprodução
(foto: Reprodução )
 

Carlos Alexandre acrescentou que o Corpo de Bombeiros e a polícia deslocaram militares para reforçar a segurança nas estações. Ainda assim, segundo o diretor, o fato de não ter havido efetivo suficiente para acompanhar todo o percurso, facilitou a prática dos atos de vandalismo. "Fizemos uma solicitação para que (os militares) se posicionassem em locais estratégicos ao longo da linha. A PM deu apoio nas estações Central e Galeria, mas, devido ao baixo efetivo, eles não conseguiram dar apoio durante toda a viagem. Onde os policiais estiveram, não houve problema. Nos demais pontos, a partir da 102 Sul, os atos começaram", detalhou.

A nota do Metrô-DF informa que a empresa calcula o valor dos prejuízos financeiros gerados e que pretende cobrar na Justiça os danos causados pelos autores que forem identificados.

Confusão nos trilhos


Na noite de terça-feira (13/2), um homem pulou nos trilhos da Estação Central supostamente para fugir de um grupo de passageiros que o agrediam. O rapaz foi capturado e encaminhado à 5ª Delegacia de Polícia (Área Central). A Polícia Civil não deu mais detalhes a respeito do caso.
 
*Estagiária sob a supervisão de Renato Alves 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade