Publicidade

Correio Braziliense

Em 24 horas, Polícia Civil do DF deixa de registrar mil ocorrências

Segundo dados do Sinpol, por dia de paralisação, ao menos 250 mil inquéritos não serão investigados. Paralisação será suspensa no sábado (24/2)


postado em 22/02/2018 22:52 / atualizado em 23/02/2018 07:24

Estimativa também indica que 400 carteiras de identidade não serão emitidas (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Estimativa também indica que 400 carteiras de identidade não serão emitidas (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

24 horas após o anúncio de paralisação da Polícia Civil, cerca de mil ocorrências deixaram de ser registradas nas 51 delegacias espalhadas pelo Distrito Federal. É o que aponta o primeiro balanço divulgado pelo Sindicato dos Policiais Civis do Distrito Federal (Sinpol-DF), nesta quinta-feira (22/2). 

Além da falta de registro de ocorrências, a média, segundo o Sinpol, é de que 250 mil inquéritos não sejam investigados e 400 carteiras de identidade deixam de serem emitidas por dia de greve. A paralisação da categoria será suspensa no próximo sábado (24/2). A promessa da corporação é que os atendimentos em delegacias retornem normalmente a partir das 8h do mesmo dia.

Enquanto isso, policiais civis vão registrar apenas ocorrências consideradas graves, como crimes de homicídio, estupro e latrocínio. 

Assembleia


Uma nova assembleia está marcada para a próxima segunda-feira (26/2), em frente ao Palácio do Buriti. Na reunião, devem ser definidos os próximos passos do movimento, caso não seja firmado acordo com o Governo do Distrito Federal (GDF). Os policiais reivindicam recomposição salarial. 


Média de serviços que não serão realizados pela Polícia Civil por dia durante paralisação:


1.000 registros de ocorrências;
1,5 mil provas testemunhais;
200 perícias no Instituto de Medicina Legal (IML), no Instituto de Criminalística (IC) e no Instituto de Identificação (II);
400 identidades;
11 mil mandando de prisão em aberto;
Mil  mandados de busca e apreensão de adolescentes;
250 mil crimes sob investigação;
100 interceptações telefônicas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade