Publicidade

Correio Braziliense

Galeria dos Estados: destino de viaduto deve ser definido na próxima semana

O DER deve decidir se irá demolir ou reparar a edificação após resultado da análise da Universidade de Brasília (UnB), que deve ficar pronto nesta segunda-feira (26/1)


postado em 23/02/2018 19:50 / atualizado em 23/02/2018 20:00

O viaduto desabou em 6 de fevereiro e abriu uma cratera no Eixão Sul(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)
O viaduto desabou em 6 de fevereiro e abriu uma cratera no Eixão Sul (foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)
 

Dezessete dias após o desabamento do viaduto da Galeria dos Estados, o Departamento de Estradas de Rodagem (DER) deve decidir se irá demolir ou reparar a estrutura na próxima semana. O órgão aguarda análise do material enviado à Universidade de Brasília (UnB), que deve ficar pronto nesta segunda-feira (26/1).  
 
"Com as novas informações e elementos técnicos em mãos, poderemos tomar uma decisão", ressalta o diretor do DER, Mácio Buzar. O viaduto desabou em 6 de fevereiro e abriu uma cratera no Eixão Sul. À época, houve complicações no trânsito e na passagem de pedestres, apesar de ninguém ter ficado ferido. 
 
O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) também acompanha as obras realizadas no viaduto. Nesta quarta-feira (21/2), o órgão recebeu representantes do governo local, com o objetivo de monitorar as ações que estão sendo tomadas. O MPDFT aguarda que a Defesa Civil conclua as vistorias e elabore um relatório sobre a situação de pontes e viadutos do Plano Piloto. Essa análise deve ficar pronta até próxima quinta-feira (1º/3).  
 
O MPDFT também fiscaliza as obras que constam no relatório do Tribunal de Contas do DF, de 2012, que apontava precariedades em diversas edificações da capital. O viaduto da Galeria dos Estados estava nessa lista, no entanto, não recebeu reparos. 


Outras obras 

No dia 14 deste mês, uma das três faixas da Estrada Parque Guará (EPGU) precisou ser interditada por conta de rachaduras que surgiram ao longo da via(foto: Luís Nova/Esp. CB/D.A Press)
No dia 14 deste mês, uma das três faixas da Estrada Parque Guará (EPGU) precisou ser interditada por conta de rachaduras que surgiram ao longo da via (foto: Luís Nova/Esp. CB/D.A Press)
 

 

O desabamento da edificação acendeu o alerta em relação a outras pontes e viadutos do Distrito Federal. No dia 14 deste mês, uma das três faixas da Estrada Parque Guará (EPGU) precisou ser interditada por conta de rachaduras que surgiram ao longo da via. O diretor do DER afirma que as obras de recuperação devem ficar prontas em cerca de 15 dias, mas, por conta da chuva, o prazo pode ser adiado. O trecho fica localizado na altura do Parque Exechivas Heringer, sentido Plano Piloto. A pista liga o Guará 2 à L4 Sul, passando pelo Jardim Zoológico de Brasília.  
 
Duas pontes serão construídas ao lado da Ponte do Bragueto. Após essas obras, o futuro da edificação será decidido(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)
Duas pontes serão construídas ao lado da Ponte do Bragueto. Após essas obras, o futuro da edificação será decidido (foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)
 
 
O DER também começou a trabalhar em outra obra que precisava de reparos: a Ponte do Bragueto. Moradores da Asa Norte até elaboraram um abaixo-assinado pedindo uma ação do governo local. Nesta sexta-feira (23/2), o órgão começou a instalar uma barreira física no local, para evitar que veículos altos danifiquem a ponte. Além disso, devem ser construídas duas pontes laterais. Após essa obra, serão realizadas análises para apontar se a ponte precisará ser demolida ou pode ser reparada.  
 
A Estrada Parque Taguatinga (EPTG) também passa por reformas. O DER pretende alargar a terceira faixa da direita nos dois sentidos da rodovia. Por causa das obras, nesta quarta-feira (21/2), a velocidade no trecho que fica próximo à Faculdade Mauá, em Vicente Pires, teve a velocidade máxima reduzida, de 80 km/h para 60 km/h. O diretor do DER ressalta que a conclusão do trabalho deve ser realizada em até 120 dias.  

*Estagiário sob supervisão de Ana Letícia Leão.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade