Publicidade

Correio Braziliense

Netshoes vai contatar, por telefone, clientes que tiveram dados vazados

A empresa e o MPDFT definiram os termos em reunião realizada na última quinta feira (22). Mais de 2 milhões de clientes foram atingidos


postado em 27/02/2018 20:26 / atualizado em 27/02/2018 20:27

(foto: Danilson Carvalho/CB/D.A Press)
(foto: Danilson Carvalho/CB/D.A Press)
 
A Comissão de Proteção dos Dados Pessoais do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) e a Netshoes comunicaram, nesta terça-feira (27/2), que os clientes que tiveram os dados vazados por uma quebra no sistema de segurança do site serão contatados pela empresa por telefone. Mais de 2 milhões de pessoas foram atingidas. A forma de comunicação e os demais termos foram definidos em reunião conjunta realizada na última quinta-feira (22).
 
Segundo o acordo, a Netshoes terá de informar com clareza a cada um dos usuários atingidos sobre o vazamento de informações e possíveis consequências. Os telefonemas devem ter início em 8 de março, tendo a empresa mais 30 dias úteis para finalizar as ligações. A comissão e a empresa informaram que "senhas, números de cartões de crédito e dados bancários não foram comprometidos pelo incidente".

No comunicado, a Netshoes reforçou que "adota todas as medidas e melhorias práticas de segurança de informação e que não negociou, nem nunca negociará, com criminosos". Afirma, ainda, que o incidente se trata de uma tentativa de extorsão e que, por isso, o caso está sendo investigado pela Polícia Federal. Se condenados, os responsáveis podem pegar de 4 a 10 anos de reclusão. 

Memória


O caso veio a tona em dezembro de 2017, quando foi divulgado que dados como nome, CPF, e-mail, data de nascimento e histórico de compras dos clientes cadastrados no sistema da Netshoes foram roubados por hackers. De acordo com o MPDFT, o problema de segurança atingiu centenas de servidores públicos.
 
Entre as vítimas, há clientes registrados com e-mails de órgãos como o Tribunal de Contas da União (@tcu.gov.br), a Câmara dos Deputados (@camara.leg.br), o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (@tjdft.jus.br), a Polícia Federal (@dpf.gov.br), o Superior Tribunal de Justiça (@stj.jus.br), o Supremo Tribunal Federal (@stf.jus.br), o Ministério da Justiça (@mj.gov.br), a Advocacia-Geral da União (@agu.gov.br) e a Presidência da República (@presidencia.gov.br).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade