Publicidade

Correio Braziliense

Estudantes da UnB lamentam morte de "Gilsinho da banca"

Gilson de Queiróz era dono da banca que levava o próprio nome. Ele fez parte da história da instituição por mais de 40 anos


postado em 27/02/2018 23:40 / atualizado em 28/02/2018 00:00

Aos 58 anos, Gilson de Queiróz deixa esposa, três filhos e um neto(foto: Beto Monteiro/Secom UnB)
Aos 58 anos, Gilson de Queiróz deixa esposa, três filhos e um neto (foto: Beto Monteiro/Secom UnB)

Entre as pessoas que se destacaram ao longo dos anos e ajudaram a construir a história da Universidade de Brasília, lá está ele: Gilson de Queiróz, dono da banca que leva o nome dele, localizada na entrada do ICC Sul. Porém , o clima nas redes sociais e páginas  do Facebook vinculadas à instituição era de tristeza com notícia sobre o falecimento do empresário, na tarde desta terça-feira (27/2), em decorrência de um câncer. A UnB confirmou a informação.

Há mais de 40 anos, Gilsinho, como era carinhosamente chamado pelos que o conheciam, trabalhava na universidade. Entre as mensagens de despedida, lembranças de momentos que marcaram a vida de muitos. "Sempre indicava ótimas revistas, fez parte da minha vida acadêmica", escreveu uma ex aluna. Para outro estudante, a camaradagem e bom humor de Gilson não serão esquecidos."Era a única pessoa na UnB que trocava as moedas para jogar sinuca. Foi uma pessoa muito alegre e sempre fazia piadas quando ia lá", postou. 

Na página do Diretório Central dos Estudantes Honestino Guimarães-UnB, os administradores também descreveram o amigo. "Conhecido na Universidade por seu sorriso sempre presente, pelo abraço mais carinhoso que essa Universidade já viu e pela disposição em sempre lutar pelo que acredita. Nosso querido amigo foi trilhar seu caminho de luz, amor, alegria e paz em um lugar mais justo, mais feliz", homenagearam.
 
Aos 58 anos, Gilson deixa esposa, três filhos e um neto. A família informou que o corpo será cremado às 15h de quarta-feira (28/2), no Crematório Jardim Metropolitano, em Valparaíso de Goiás.  

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade