Publicidade

Correio Braziliense

Sistema da Defesa Civil que alerta sobre alagamentos tem 70 mil inscritos

Nove alertas já foram enviados a moradores do Distrito Federal desde sua implantação, em 19 de fevereiro deste ano


postado em 01/03/2018 14:40 / atualizado em 01/03/2018 14:47

No período de chuvas, a probabilidade de desastres aumenta(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
No período de chuvas, a probabilidade de desastres aumenta (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)


Quase 70 mil celulares estão cadastrados no serviço da Defesa Civil para receber alertas de desastres naturais no Distrito Federal, segundo dados do Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad). O órgão, responsável pelo envio dos torpedos, afirmou que até o momento 69.754 telefones já fazem parte do sistema na capital, e, além disso, nove alertas diferentes já foram enviados, englobando ocorrências sobre chuvas intensas e vendavais em todo o DF. 

Segundo a Defesa Civil, o número de cadastros está dentro do esperado, pois o processo é gradual. "Somente nesta semana, 9 mil pessoas se cadastraram. Nós vamos fazer outras atividades de divulgação como campanhas e outros trabalhos de informação para chamar a atenção da população", afirmou.
 
O serviço, que já existia em alguns estados do Sul e Sudeste desde 2017, chegou em Brasília em 19 de fevereiro desde ano. Para se cadastrar, é necessário enviar um SMS para a Defesa Civil, com o CEP residencial, para o número 40199. Os alertas são gerados pelo Cenad em parceria com os órgãos da Defesa Civil, e o serviço é totalmente gratuito. 
 
Por meio das mensagens, os brasilienses recebem avisos sobre inundações, alagamentos, temporais e deslizamentos de terra. Na última quinta-feira (22/2), o sistema enviou um torpedo alertando para ventania forte, com a recomendação de não permanecer embaixo de placas e árvores, por exemplo. 
 
Em nota, o Cenad ressaltou que "é fundamental a participação da população junto à Defesa Civíl do DF, para ter conhecimento sobre as medidas que devem ser adotadas diante do recebimento de alertas dessa natureza."

Perigos

Em novembro de 2017, a Subsecretaria do Sistema de Defesa Civil divulgou um levantamento constatando que o DF possui 36 áreas de risco distribuídas nas 18 regiões administrativas. Os casos mais graves são de áreas com frágil infraestrutura, passíveis de maior dano em caso de deslizamentos, enchentes e desabamentos. De acordo com o relatório, a probabilidade de desastres aumenta na época de chuvas.
 
Entre as regiões citadas, está Vicente Pires, onde mora Taynara Dettmann, de 22 anos. A jovem acredita que o serviço seja muito importante, pois é uma questão de segurança pública. "No período das chuvas, sempre é uma dificuldade chegar em casa por causa das ruas alagadas. O esforço da Defesa Civil é válido e penso que em algumas cidades, como Vicente Pires, o sistema deve funcionar", afirma. 
 
As outras regiões administrativas que também possuem áreas de risco são: Águas Claras, Ceilândia, Estrutural, Fercal, Itapoã, Núcleo Bandeirante, Paranoá, Planaltina, Recanto das Emas, Riacho Fundo I, Samambaia, Santa Maria, São Sebastião, Setor de Indústria e Abastecimento (SIA), Sobradinho II, Taguatinga e Varjão. 

*Estagiária sob supervisão de Ana Letícia Leão.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade