Publicidade

Correio Braziliense

Inmet registra fevereiro mais chuvoso da década no Distrito Federal

Volume de chuvas acumulado nos último 28 dias ficou 25% acima das expectativas do instituto. Março, porém, começa com dia quente e com apenas possibilidade de pancadas isoladas


postado em 01/03/2018 08:08 / atualizado em 01/03/2018 08:08

Fevereiro registrou fortes chuvas em quase todos os dias(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Fevereiro registrou fortes chuvas em quase todos os dias (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
 
O Distrito Federal teve o fevereiro mais chuvoso da década. O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) registrou 272 milímetros acumulados de chuva nos últimos 28 dias, cerca de 25% a mais dos 217,5mm previstos para o mês. 

Segundo a série histórica do instituto, houve registro de chuva acima da média prevista para fevereiro somente neste ano e no ano passado. Em 2017, o acumulado do período ficou em 258,4mm. Entre 2010 e 2016, o volume sequer ultrapassou a marca de 200mm por causa de fenômenos como o El Niño.

Isso não significa, porém, que teremos um ano chuvoso pela frente. Em 2017, o volume de chuva acumulado nos 365 dias ficou abaixo do esperado, mesmo com um fevereiro bastante úmido. Janeiro deste ano, por exemplo, fechou com índice abaixo da média. 

Março, inclusive, começa seco. Há apenas possibilidade de chuvas desta quinta-feira (1º/3) até sábado (3/3). Depois, deve voltar a chover. “Caso o tempo se comporte como no ano passado, o volume de chuvas acumulado deve ficar dentro da média”, espera o meteorologista Mamedes Luiz Melo, do Inmet. Em 2017, o terceiro mês do ano registrou índice de 179,7mm, pouquíssimo abaixo dos 180,6mm previstos.

A temperatura neste primeiro dia de março vai subir. A máxima, à tarde, deve chegar aos 32°C. A umidade do ar despenca dos 95% registrados pela manhã até 35% nas horas mais quentes desta quinta-feira.

Reservatórios iniciam o mês com algum fôlego


A estação chuvosa vem atingindo as expectativas do Inmet e ajudando os reservatórios a recuperar o volume perdido com a crise hídrica. Principalmente no caso da barragem do Descoberto. Lá, o nível fechou em 56,3%, valor 6,3 pontos percentuais acima do que era previsto apenas para maio. No mesmo dia no ano passado, a represa marcava 41,3%.

O caso do Santa Maria é um pouco mais delicado. O reservatório marcou, na terça-feira (28/2), 41,9%, número 5,9 pontos acima da referência de fevereiro. O volume é inferior aos 46,7% marcados em 28 de fevereiro daquele ano. 

No entanto, a Companhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb) está poupando a barragem localizada no Parque Nacional de Brasília. A estatal espera que as captações do córregos Torto e Bananal ajudem o Santa Maria a guardar água para o início da estiagem.

Confira aqui as regiões afetadas pelo racionamento nesta quinta-feira 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade