Publicidade

Correio Braziliense

Adolescente e mulher de 38 anos são atingidos por balas perdidas no Paranoá

O alvo do atirador era um jovem de 18 anos que conseguiu escapar dos disparos, mas os tiros acertaram um adolescente de 14 anos e uma mulher que tentaram correr para dentro do prédio. O caso aconteceu na manhã desta terça-feira (6/3)


postado em 06/03/2018 19:36 / atualizado em 07/03/2018 06:48

Nas escadarias do prédio havia marcas de sangue(foto: Luis Nova/Esp.CB/D.A Press)
Nas escadarias do prédio havia marcas de sangue (foto: Luis Nova/Esp.CB/D.A Press)
Um adolescente de 14 anos e uma mulher de 38 ficaram feridos depois de serem atingidos por balas perdidas no Condomínio Paranoá Parque, na manhã desta terça-feira (6/3). O crime aconteceu por volta das 10h30, na escadaria de um dos blocos. O homem que efetuou os disparos, Leandro Borges Rodrigues, 24 anos, foi preso à noite e levado para a 6ª Delegacia de Polícia (Paranoá), que investiga o caso.
  
O atirador e outras duas pessoas estariam envolvidas no crime. Segundo a polícia, ele é interno do Centro de Progressão Penitenciária (CPP), trabalha durante o dia e volta à unidade de detenção à noite.
 
Vizinhos estavam sentados na rua quando tudo aconteceu. Desesperados, eles correram para dentro de um prédio, no Bloco K do Paranoá Parque, na tentativa de se proteger. Nesse momento, o alvo do atirador também entrou no local para escapar dos tiros, mas o suspeito correu atrás do jovem de 18 anos e efeutou novos disparos. A mulher, que não tinha relação com o caso, levou um tiro na panturrilha e o adolescente de 14 anos foi atingido de raspão no pé.
 
A vítima de 38 anos, estudante de serviço social da Universidade de Brasília (UnB), contou que tinha ido até o apartamento de uma amiga. As duas estavam conversando do lado de fora quando ouviram os disparos e entraram no prédio, mas elas não imaginavam que os dois envolvidos seguiriam o mesmo caminho.
 
 
 
A universitária não quis ser identificada, mas explicou que, durante os disparos, a arma do atirador falhou. Nesse momento, o jovem de 18 anos conseguiu entrar em um dos apartamentos e o suspeito fugiu. “Eu senti o impacto da pólvora na minha perna e comecei a rezar. Quando vi que o suspeito tentava engatilhar a arma para atirar de novo, entrei em um dos apartamentos. Na hora, só pensei nos meus filhos que, graças a Deus, não estavam comigo. E agradeci muito por ter sido atingida só na perna, porque, se fosse em outro lugar, poderia estar morta”, ressaltou. 

A mãe do adolescente baleado contou que o filho está internado no Hospital Regional do Paranoá (HRPa), onde passará por cirurgia. O estado de saúde dele é estável. "Parece que ele não se importava com quem estivesse na frente, só foi atirando, sem parar. Acabou que o tiro pegou no meu filho, mas, graças a Deus, ele está bem. Podia ter acontecido uma tragédia muito maior", lamentou.

Marcas do crime 

Nas escadarias, havia rastros de sangue no chão e marcas de tiro. A amiga da universitária, de 34 anos, estava com o filho de 2 nos braços quando tudo aconteceu. Ela explicou que, quando viu o jovem correndo e outro homem atrás dele, entrou no prédio para tentar se proteger. “Mas, nesse momento, eles também entraram. Quando ouvi os tiros e vi o sangue pingar ao meu lado, gritei de desespero, porque achei que tinha sido com o meu filho de 2 anos que estava no meu colo", contou.

Desde o registro da ocorrência, policiais civis estão nas ruas para tentar identificar os envolvidos. Policiais militares também passaram pela região. O caso é investigado como tentativa de homicídio.
 
Colaborou Sarah Peres, especial para o Correio 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade