Publicidade

Correio Braziliense

UnB recomenda demolição completa de viaduto sobre a Galeria dos Estados

Especialistas apontam grau de deterioração "muitíssimo crítico" na estrutura. Decisão sobre como agir cabe ao GDF, que já manifestou intenção de recuperar o viaduto


postado em 07/03/2018 16:05 / atualizado em 07/03/2018 17:19

O relatório, baseado em método aplicado pela professora Eliane Krause, do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental da universidade, determinou o grau de deterioração da estrutura (foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
O relatório, baseado em método aplicado pela professora Eliane Krause, do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental da universidade, determinou o grau de deterioração da estrutura (foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
 
Análise técnica divulgada pela Universidade de Brasília (UnB) na tarde desta quarta-feira (7/3) recomenda a demolição completa dos 194 metros do Viaduto da Galeria dos Estados, no Eixão. A estrutura desmoronou em 6 de fevereiro e abriu uma cratera na via. 
 
Parte do relatório, baseada em método aplicado pela professora Eliane Krause, do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental da universidade, afirma que o grau de deterioração da estrutura é "muitíssimo crítico", apresentando fissuras, corrosões e infiltrações. Na escala de avaliação usada, 100 pontos indicam que uma edificação está em nível precário de danos. O viaduto da galeria apresenta 240 pontos. 
 
Devido à infiltração nas trincas por um longo período de tempo, houve corrosão das armaduras que ligam uma viga a um pilar, levando à sobrecarga da estrutura. A corrosão de cabos do concreto foi a principal causa do desabamento parcial. aponta, ainda, o estudo. 
 
Um dos responsáveis pelo estudo, o engenheiro Cláudio Pereira pontuou que o concreto encontra-se intacto. "O aço, por sua vez, apresentou alto nível de corrosão devido à umidade advinda de fissuras exteriores", disse.

O vídeo ilustrativo preparado pela equipe técnica de engenheiros da instituição simulou as causas da queda do viaduto. Além disso, a animação demonstrou que toda a estrutura adjacente à da queda estava afetada pela infiltração, causando risco de novos desmoronamentos.
 
 
 

Decisão cabe ao GDF 

 
O estudo é uma sugestão a ser encaminhada ao Governo do Distrito Federal, a quem cabe a decisão sobre demolir ou recuperar o viaduto. Na sexta-feira (2/3), o GDF afirmou que não devia optar pela demolição. "Outros critérios podem ser tomados, mas essa é a posição coletiva do departamento", ponderou o professor Antônio César Pinho, diretor da Faculdade de Tecnologia da UnB.
 
 
* Estagiário sob a supervisão de Humberto Rezende. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade