Publicidade

Correio Braziliense

Arquitetos angolanos trabalham em projetos urbanísticos no DF

Ariel Sebastião e Vanda Mavilacana vieram a Brasília por meio de uma parceria do GDF com o Conselho Internacional. Sol Nascente está entre as regiões beneficiadas


postado em 09/03/2018 16:35 / atualizado em 09/03/2018 16:36

Ariel Aleixo Sebastião e Vanda Cristina Mavilacana souberam da oportunidade de trabalhar em outro país pela Ordem de Arquitetos de Angola(foto: Tony Winston/Agência Brasília)
Ariel Aleixo Sebastião e Vanda Cristina Mavilacana souberam da oportunidade de trabalhar em outro país pela Ordem de Arquitetos de Angola (foto: Tony Winston/Agência Brasília)

Dois arquitetos angolanos estão no Brasil há um mês para trabalhar em projetos urbanísticos pelo Distrito Federal. O objetivo é melhorar as condições de habitação a famílias que moram em comunidades que passam por regularização de espaço. A ação faz parte do Programa de Assistência Técnica em Arquitetura e Urbanismo, organizado pela Companhia de Desenvolvimento Habitacional do DF (Codhab). 

Ariel Aleixo Sebastião, 24 anos, e Vanda Cristina Mavilacana, 31, vieram para a cidade por meio de uma parceria do GDF com o Conselho Internacional de Arquitetos da Língua Portuguesa. Os jovens souberam da oportunidade de trabalhar em outro país pela Ordem de Arquitetos de Angola.

O acordo para a realização do estágio para estrangeiros foi assinado em 2016. A seleção ficou sob responsabilidade do conselho internacional, enquanto o executivo local garante a estadia. A viagem foi custeada pelos participantes. 

O programa de assistência técnica está previsto na Lei Federal nº 11.888, de 24 de dezembro de 2008, e é voltado para famílias de baixa renda. A medida começou a ser implementada pelo Sol Nascente. A região passa por obras de infraestrutura para regularização do espaço há três anos. 

Atividades


O objetivo do Programa é mostrar a Ariel e Vanda sobre as cidades e comunidades que vão atuar. O primeiro dever de Ariel, por exemplo, é avaliar possíveis melhorias urbanas. Os trabalhos podem incluir o plantio de mudas, a pintura de fachada, além da recuperação de canteiros com pneus. Ao todo, serão 60 ações. 

A Avenida das Palmeiras, no Sol Nascente, é um dos espaços que receberam a iniciativa. Foi feito mutirão prévio com técnicos da Codhab e moradores da rua para pintura das fachadas, uma referência para quem vive ali.

Com informações da Agência Brasília

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade