Publicidade

Correio Braziliense

Polícia investiga causas do acidente que deixou 4 mortos, na BR-070

A primeira linha de investigação aponta que o Peugeot fazia uma ultrapassagem indevida e ambos os carros tentaram desviar pelo acostamento


postado em 11/03/2018 10:10 / atualizado em 11/03/2018 12:44

Os três ocupantes do Peugeot - pai, mãe e a filha, de 4 anos - morreram na hora(foto: PRF/Divulgação)
Os três ocupantes do Peugeot - pai, mãe e a filha, de 4 anos - morreram na hora (foto: PRF/Divulgação)
 
Uma ultrapassagem perigosa pode ter causado o acidente que deixou quatro mortos na BR-070, em Cocalzinho de Goiás, distante aproximadamente 110 quilômetros de Brasília. O delegado titular que investiga o caso, Adriano Pereira Melo, vai instaurar inquérito na segunda-feira (11/3) para investigar as causas da batida. No entanto, ele confirmou que na hora da colisão frontal, por volta das 13h de sábado (10/3), a pista estava seca e com boa visibilidade.

A batida envolveu um Peugeot/208, com placa de Brasília, e uma Toyota Hilux, com placa de Cocalzinho de Goiás. No primeiro carro estava uma família de Taguatinga: mãe, pai e uma filha de 4 anos. José Augusto de Moraes Preto, 26 anos, conduzia o veículo. A filha, Maria Julia Medeiros de Moraes, 4 anos, estava na cadeirinha no banco de trás do carro e a suspeita é de que a mãe, Fernanda Sena de Medeiros, 25 anos, estaria ao lado da criança.
 
José Augusto, Maria Júlia (4 anos) e Fernanda serão velados neste domingo, no Cemitério Campo da Esperança, em Taguatinga(foto: Acervo Pessoal)
José Augusto, Maria Júlia (4 anos) e Fernanda serão velados neste domingo, no Cemitério Campo da Esperança, em Taguatinga (foto: Acervo Pessoal)

Segundo o delegado, a perícia indica que Fernanda poderia estar sem cinto de segurança, porque ela foi lançada para fora do carro. Quem conduzia a Hilux era o vice-prefeito de Cocalzinho, Alair Rabelo, conhecido como Nenzão (PSD). Ao lado dele estava o filho e, no banco detrás, o genro Bruno Rodrigo Abreu de Morais, 25 anos. Bruno morreu na hora, assim como os três familiares de Brasília. O investigador afirmou que ele estava de cinto de segurança.
 
O vice-prefeito e o filho estão internados no Hospital de Urgência de Anápolis, ambos aguardando cirurgia. Nenzão teve uma fratura na mão e luxação na outra. Ele reclama de dores abdominais, mas está consciente. O filho, Yago Azevedo, teve uma fratura no pé. 

Equipes do Instituto Médico Legal (IML) de Anápolis recolheram os corpos. Eles foram liberados por volta da 1h30 deste domingo (11/3). Por volta das 9h a funerária aguardava a família para fazer o traslado até Brasília. “Foi um acidente em decorrência de uma manobra mal executada em tentativa de ultrapassagem. A colisão frontal não decorre de outra coisa, a não ser pelo estado de saúde do condutor ou imprudência do motorista”, alegou o delegado.

O velório dos moradores de Taguatinga está previsto para começar às 15h30 no cemitério da cidade. O sepultamento está marcado para começar às 17h. O genro do vice-prefeito está sendo velado na Igreja Assembleia de Deus, em Cocalzinho, e o enterro está previsto para as 13h. 
 
Bruno Rodrigo Abreu, genro do Vice-prefeito de Cocalzinho, é velado na manhã de domingo(foto: Ed Alves/CB/D.A. Press)
Bruno Rodrigo Abreu, genro do Vice-prefeito de Cocalzinho, é velado na manhã de domingo (foto: Ed Alves/CB/D.A. Press)
 

Dinâmica acidente


O delegado contou que o Peugeout seguia de Brasília em direção a Cocalzinho. Já a Hilux estava no sentido contrário, de Cocalzinho em direção ao Distrito Federal. "Não existe nenhuma confirmação técnica, mas, pelas marcas de frenagem e pela trajetória do veículo, tudo indica que o Pegeout tentou uma ultrapassagem indevida e, nesse momento, houve colisão frontal com a Hilux. Portanto, foi uma colisão frontal em decorrência de tentativa de ultrapassagem", explicou.

O vice-prefeito de Cocalzinho, assim como o filho, estavam conscientes, mas em estado de choque. O delegado acompanhou o socorro da família. Nenzão foi levado para o Hospital de Urgência de Anápolis com uma fratura na mão. O filho foi atendido em Cocalzinho e encaminhado à Pirenópolis por causa de uma fratura no pé, mas, em seguida, a equipe de saúde o liberou. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade