Publicidade

Correio Braziliense

Fórum Mundial da Água terá ações digitais em defesa do meio ambiente

O Green Nation é um espaço gratuito montado na Vila Cidadã, durante todo o evento, que será realizado em Brasília de 18 a 23 de março


postado em 14/03/2018 06:00 / atualizado em 14/03/2018 15:06

(foto: Arquivo Green Nation/Divulgacao)
(foto: Arquivo Green Nation/Divulgacao)


A partir deste sábado, o brasiliense terá a possibilidade de experimentar uma realidade completamente diferente da vivenciada na capital federal. O clima do Planalto Central será substituído pelas temperaturas negativas da Antártica, e mesmo a quase mil quilômetros do mar, também será possível visitar florestas subaquáticas. Essas sensações estarão disponíveis no Green Nation, um espaço gratuito montado na Vila Cidadã, durante todo o Fórum Mundial da Água, que será realizado em Brasília de 18 a 23 de março.

O local abre um dia antes do início oficial do evento, que deve reunir mais de 45 mil pessoas de 150 países.

Green Nation ocorre pela primeira vez fora do Rio de Janeiro — esta é a quarta edição. Criado pelo geógrafo e produtor de cinema Marcos Didonet, o movimento tem como objetivo trazer consciência ambiental e cidadania por meio de experiências sensoriais que transportam os usuários para as mais diversas realidades e lugares.

Os 2.700 m² da Vila Cidadã serão ocupados pelo movimento, que funcionará das 9h às 17h. Os visitantes poderão interagir com nove instalações, como a Estação Antártida, Submarino, Nave, Asa Delta, Florestas do Mar, Falta Água!, Plante Água, PET Vira PET e Sabores e Sentidos. O percurso completo tem duração média de uma hora. Também serão realizadas oficinas de cocriação, Festival Multimídia, Mostra de Cinema, oficinas maker, oficinas de design thinking para crianças, contação de histórias e muito mais.

Na instalação Asa Delta, por exemplo, o usuário monta em uma estrutura de cinco metros, coloca um óculos de realidade aumentada e é erguido em cima de um ventilador, que traz a sensação de voo. A partir daí, ele é transportado virtualmente para a Pedra da Gávea, no Rio de Janeiro, e salta, seguindo voo por diversos locais brasileiros onde a água é protagonista dos ambientes, como Foz do Iguaçu, no Paraná; Bonito e a Usina de Ilha Solteira CTG Brasil, no Mato Grosso do Sul.

A primeira edição do Green Nation ocorreu no Rio+20, uma conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Natural realizada na capital fluminense em 2012. Mas o sonho de montar o local começou muito tempo antes. O gaúcho Marcos Didonet, de 55 anos, formou-se em geografia no UniCeub nos anos 1970. Depois disso, começou a trabalhar como produtor de cinema, levando às telas sucessos como Se eu fosse você e Divã.

A produção da primeira edição do Green Nation durou seis anos. “Passamos esse período mergulhando em vários princípios científicos. Quando falamos em meio ambiente, soa para muita gente como algo chato e complexo. Nosso objetivo é tornar isso divertido, e mostrar que existem pequenas mudanças que podem ser feitas dentro de casa”, afirma Didonet.

Ao montar espaços como o da Estação Antártica, a produção teve um trabalho minucioso para tornar o ambiente o mais real possível. “Fizemos uma parceria com estações de pesquisa na Antártida e com pesquisadores da UnB que viajam para a região. Com isso, eles nos indicam tudo que existe lá, desde termos de pesquisa até o equipamento a ser usado. A partir disso criamos o ambiente”, explica Didonet. 

Mudança


A crise hídrica vivenciada no Distrito Federal há mais de um ano é vista pela organização do Green Nation como mais um motivo que deve atrair o público ao espaço. “Crises acontecem justamente para haver a transformação e mudança. O racionamento no DF, por exemplo, permitiu às pessoas abrirem a janela para discutir questões ambientais e não só cobrar do governo, mas saber também qual é o papel de cada um para mudar a situação”, garante Didonet.

Um dos espaços que mais deve receber visitantes é o Falta Água!, que leva os convidados a imaginar uma vida sem água. Por meio de um jogo, serão propostos desafios que reforçam a importância da mudança de hábitos em relação a recursos hídricos que saem das nascentes e viajam até chegar às torneiras das residências.

Cerca de 150 mil pessoas passaram pelas três primeiras edições do festival. Como um presente para Brasília, cada visitante do espaço se tornará padrinho ou madrinha de uma muda, que será plantada pelo Green Nation na região de Olhos D’água, em Goiás, um dos berços de água do cerrado.


Green Nation

» Onde: Vila Cidadã, no estacionamento do Estádio Mané Garrincha
» Quando: 17 a 23 de março, das 9h às 17h. Entrada gratuita mediante credenciamento prévio
» Inscrições: www.worldwaterforum8.org/pt-br
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade