Publicidade

Correio Braziliense

Fechamento do Lixão da Estrutural será tema de congresso internacional

A experiência, considerada positiva por minimizar impactos ambientais, vai ser apresentada como exemplo em evento da Iswa


postado em 20/03/2018 22:11 / atualizado em 20/03/2018 22:12

Representantes de entidades internacionais visitam Aterro Sanitário de Brasília(foto: Tony Winston/Agência Brasília)
Representantes de entidades internacionais visitam Aterro Sanitário de Brasília (foto: Tony Winston/Agência Brasília)

Dois meses após o fechamento definitivo do Lixão da Estrutural, substituído pelo Aterro Sanitário de Brasília, integrante da Associação Internacional de Resíduos Sólidos (Iswa, sigla em inglês) confirmou que a experiência vai ser apresentada no congresso internacional da entidade, que ocorre em outubro, na Malásia.
 
Durante uma visita ao aterro na manhã desta terça-feira (20/3), a informação foi confirmada pelo presidente do grupo de trabalho que trata de aterros sanitários na Iswa, o engenheiro ambiental português Luis Marinheiro. O objetivo é levar um exemplo concreto de trânsição considerada positiva - por minimizar impactos ambientais - a outros lixões no mundo. 
 
A Iswa é uma das cinco entidades que assinou o “Compromisso por Brasília", um documento que estabelece o compromisso em monitorar as ações do GDF na gestão e controle dos resíduos.  Também assinantes do acordo, representantes da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes) e da Associação Interamericana de Engenharia Sanitária e Ambiental (Aidis) foram nesta terça ao aterro. 
 
Uma comitiva da França que quer estabelecer parcerias com o GDF na área de resíduos sólidos também participou da visita. 

Olhar para o meio ambiente 


O Aterro Sanitário de Brasília substitiuiu o Lixão da Estrutural - que funcionou por quase 60 anos e era considerado o segundo maior do mundo pela Iswa. O objetivo da transição tem como principal objetivo diminuir os impactos à natureza, ao receber apenas os resíduos não aproveitáveis, obedecendo, assim, as diretrizes da Política Nacional de Resíduos Sólidos. 
 
Localizado entre Samambaia e Ceilândia, o novo aterro foi projetado para comportar 8,13 milhões de toneladas de lixo. São 760 mil metros quadrados de área. Deste total, 320 mil m² servem para descarte materiais não reutilizáveis e contam com diversas camadas de proteção para evitar contaminação do lençol freático.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade