Publicidade

Correio Braziliense

Bispo nomeado para administrar diocese de Formosa já comandou 11 paróquias

Dom Paulo Mendes Peixoto foi nomeado administrador pelo papa Francisco, após prisão de dom José Ronaldo, preso na Operação Caifás


postado em 21/03/2018 12:51 / atualizado em 21/03/2018 16:25

Dom Paulo Mendes Peixoto já coordenou 11 paróquias, foi ecônomo da igreja e é especialista em direito canônico(foto: Arquidiocese de Uberaba/Divulgação)
Dom Paulo Mendes Peixoto já coordenou 11 paróquias, foi ecônomo da igreja e é especialista em direito canônico (foto: Arquidiocese de Uberaba/Divulgação)
Arcebispo de Uberaba, dom Paulo Mendes Peixoto, que assumirá a administração da diocese de Formosa (GO) a pedido do Papa Francisco, foi ecônomo do Seminário Diocesano de Caratinga (MG) e é especialista em direito canônico pelo Instituto Superior de Direito Canônico do Rio de Janeiro. O sacerdote assume a administração no município goiano após a prisão do bispo dom José Ronaldo Ribeiro, preso na Operação Caifás, deflagrada pelo Ministério Público de Goiás, e que apurou o desvio de verbas e lavagem de dinheiro em várias igrejas e na catedral da região.

Além de dom José Ronaldo, foram presos o monsenhor Epitácio Cardozo, vigário-geral da diocese e segundo no comando, o pároco da Catedral Nossa Senhora da Imaculada Conceição e outros três padres, sendo dois de paróquias filiadas à Diocese e um, Thiago Wenceslau, de São Paulo, chamado pelo bispo, segundo o MPGO, para intimidar sacerdotes contrários ao esquema de lavagem de dinheiro.

 

O bispo nomeado pelo Papa enviou uma mensagem de áudio aos fiéis de Formosa (GO). Na gravação, ele se mostra preocupado com os "desafios que enfrentará", mas também otimista, e diz que quer trazer "esperança e confiança" para os fiéis. "Nesse dia, 21 de março, o Papa Francisco, ele me noemou administrador apostólico da Diocese de Formosa, no estado de Goiás. Fico leiz pela confiança, mas, ao mesmo tempo, preocupado com os desafios que, certamente, teri que enfrentar naquela diocese. Ainda não conheço nada daquela realidade, a não ser o que tem sido transmitido pelos meios de comunicação", afirmou.

 

"A igreja está preocupada com a realidade dessa Diocese, que estava, até o dia de ontem, sem um administrador, já que o bispo, também o vigário geral, o ecônomo da diocese, ambos estão presos. Por isso, começa, agora, um novo caminhar com esta nomeação, coma minha presença, até que seja nomeado um novo bispo da Diocese de Formosa. Continuo, logicamente, arcebispo de Uberaba. O fato de deu estar ajudando lá, não significa que eu deixe de ser arcebispo de Uberaba. Vou continuar, auxiliado, logicamente, pelos assessores, o vigário-geral e assim por diante. Minha disposição é para dar àquele povo de Formosa, até o momento, muito abalado, a gente sente, mais esperança, mais confiança na sua prática cristã", destaca.

 

O interventor

O papa Francisco manteve dom José Ronaldo como chefe da Igreja Católica na região, composta por 20 cidades goianas e 33 igrejas. Porém, dom Paulo Mendes Peixoto administrará a diocese na ausência do bispo preso ou até que o Vaticano denomine um novo sacerdote para ocupar o cargo vago.

Dom Paulo Mendes Peixoto nasceu em 25 de fevereiro de 1951 e é natural de Imbé, Minas Gerais. Estudou em Caratinga onde também se formou em filosofia pelo seminário diocesano e em história pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Caratinga. Foi ordenado padre em 8 de dezembro de 1979 e, posteriormente, entre 1984 e 1985, especializou-se em direito canônico na capital carioca.

Em seu currículo como sacerdote, o arcebispo foi ecônomo, diretor espiritual, professor de direito pastoral, capelão do Hospital Nossa Senhora Auxiliadora de Caratinga, e pároco de 11 paróquias. Foi ordenado bispo em 25 de fevereiro de 2006 e, à época, chefiou a diocese de São José do Rio Preto. Seis anos depois, o Papa Bento XVI o nomeou arcebispo da arquidiocese de Uberaba, que reúne, também, as dioceses de Uberlândia, Patos de Minas e Ituiutaba.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade