Publicidade

Correio Braziliense

Está presa a terceira travesti acusada de matar cliente no setor hoteleiro

Bianca se entregou à 5ª Delegacia de Polícia no fim da tarde de ontem. Ela afirmou ter esfaqueado a vítima, na terça-feira (20/3)


postado em 22/03/2018 16:06 / atualizado em 22/03/2018 16:06

Bianca decidiu se entregar à polícia no fim da tarde de quarta-feira (21/3)(foto: Divulgação)
Bianca decidiu se entregar à polícia no fim da tarde de quarta-feira (21/3) (foto: Divulgação)

A travesti Bianca, 20 ano, acusada de participação no latrocínio (roubo seguido de morte) de Carlos Augusto Lopes Salazar, 35 anos, se entregou na 5ª Delegacia de Polícia (área central), onde teria admitido ter participado do crime. Carlos foi foi encontrado morto no Setor Hoteleiro Sul (SHS), na terça-feira (20/3), dentro do carro dele.

Bianca, registrada como Railan Marcos do Santos possui passagens por resistência, desacato, furto e tráfico de drogas. As outras duas travestis, apresentadas pela polícia como co-autoras do crime  são Cindy, 27, e Ashley, 23, respectivamente Antônio Duarte Bezerra e Leonardo Ferreira de Aquino. Elas foram as primerias a serem presas, um dia após o crime.  O trio responderá por latrocínio e poderá pegar até 30 anos de cadeia. 
 
De acordo com o delegado-chefe Rogério Henrique Rezende, Bianca confirmou parte da versão de Cindy e Ashley. "Ela relatou toda a parte da dinâmica do crime. Contudo, alegou ter dado apenas a facada no peito de Carlos. Quanto ao segundo golpe, não disse quem deu. Então, essa situação é uma incógnita", observou.
 
O delegado esclareceu que, se Bianca deu as facadas sozinha ou não, as três responderão por latrocínio, por se tratar de um ato conjunto. Rogério também informou que a travesti entregou a arma usada no crime, uma faca de serra, em material inox. "A arma foi entregue à perícia para avaliação. Quanto ao celular da vítima, contrariando o depoimento das outras duas envolvidas, Bianca alegou ter ficado com Cindy. Portanto, o aparelho não foi encontrado", disse o delegado-chefe.
 
 

Programa

Segundo informações da polícia civil, Carlos teria ido até o SHS para fazer um programa. Ele se encontrou com Cindy, que cobrou R$ 50 adiantado pelo serviço. A vítima não concordou com a proposta, iniciando uma discussão com a travesti. As colegas Ashley e Bianca, ao notarem a situação, se aproximaram do carro de Carlos, um Honda Civic verde. Elas começaram a bater nas janelas, dizendo para que ele pagasse o valor antes do programa.
 
Com a situação, Carlos cancelou o programa e pediu que Cindy se retirasse do veículo. Ela saiu e se juntou as outras amigas, que estavam posicionadas em frente do motorista, e decidiram roubá-lo. De acordo com o depoimento de Ashley e Cindy, foi Bianca quem teria se exaltado e dado os golpes contra Carlos, enquanto as duas pegavam o celualar e a carteira dele.
 
O trio saiu da cena do crime e parou a poucos metros, para pegar o dinheiro que teria na carteira da vítima. Ao abrir, ela estaria vazia e foi largada no local. Ainda no depoimento, Cindy alegou que Bianca disse que "ele ia te dar o cano. Como eu dei as facadas, fico com o celular". Apesar de a travesti negar essa parte da versão, outros depoimentos, prestados por testemunhas, confirmam que Bianca foi a responsável por tirar a vida de Carlos.
 
No meio da conversa, um motorista passou pelo local, o que assustou as três, que saíram correndo. Câmeras se segurança de estabelecimentos da região mostram as travestis se afastando do estacionamento.  

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade