Publicidade

Correio Braziliense

Dois homens são presos acusados de tentativa de roubo em Samambaia

Um aluno foi agredido com chutes e pontapés, próximo ao CEM da quadra 414, no início da tarde desta sexta-feira (23/3)


postado em 23/03/2018 22:00 / atualizado em 23/03/2018 22:04

O delegado-chefe José Eduardo Galvão não descarta que a dupla tenha atuado em colégios da região, como nas quadras 410 e 412(foto: Adauto Cruz/CB/D.A Press)
O delegado-chefe José Eduardo Galvão não descarta que a dupla tenha atuado em colégios da região, como nas quadras 410 e 412 (foto: Adauto Cruz/CB/D.A Press)
 
Dois homens foram presos, na tarde desta sexta-feira (23/3), após serem flagrados por policiais militares agredindo um adolescente de 17 anos, em Samambaia Norte. Eles tentavam roubar o celular da vítima, quando ela saía da aula, no Centro de Ensino Médio 414. Segundo informações da PMDF, Jonathan Azevedo de Sousa, 18, e Wesley Soares de Sousa Lima, 24, teriam atuado na região por um mês, fazendo pelo menos 15 vítimas. Os suspeitos foram encaminhados à 26ª Delegacia de Polícia (Samambaia Norte). Inicialmente, eles responderão por tentativa de roubo. 

Os militares chegaram até os acusados durante uma ronda na área, e viram a dupla agredindo um aluno, de acordo com o major Claudio Santos. "Eles davam chutes e pontapés na vítima, quando intervimos. Nós constatamos que se tratava de uma tentativa de roubo", explicou.

A vítima, que estuda na instituição, relatou que estava com a namorada quando foi abordado pelos bandidos. "Saindo da escola, os dois vieram na minha direção. Eles pediram meu celular, enquanto tentavam me revistar. Eu segurei o braço dele e tentei sair de perto, foi quando as agressões começaram”, relatou o jovem, em um vídeo. 

Após prenderem os suspeitos, o major foi até a unidade escolar, onde a diretora confirmou que outras ocorrências haviam acontecido na região. "Eles teriam sido os autores de diversos roubos no local, sobretudo no horário vespertino", disse Claudio Santos. Com as fotos dos acusados, 15 alunos reconheceram Wesley e Jonathan como os possíveis assaltantes. 

De acordo com o delegado-chefe da 26ª Delegacia de Polícia, José Eduardo Galvão, os adolescentes não prestaram queixa, o que dificultaria na eficiência da resolução do caso. "Se esses alunos tivessem feito as ocorrências, todo trabalho de reconhecimento seria muito mais fácil. Contudo, teremos que entrar em contato com cada um para apurarmos os fatos. Por isso, pedimos que as ocorrências sempre sejam feitas, para solucionarmos casos como esses", salienta José. 

A recomendação das autoridades é que alunos de outras instituições de ensino da região, nas quadras 410 e 412, compareçam à delegacia, pois há a possibilidade dos suspeitos terem agido também nesta área.

"É muito comum que esses assaltantes atuem em áreas próximas uma da outra. Não descartamos que eles tenham esse perfil, por isso, a ocorrência é tão importante. Nós recolhemos os registros que possuem o mesmo padrão de característica física e modus operandi, e só chamamos para o reconhecimento”, finalizou o delegado-chefe José Eduardo Galvão.
 
* Estagiária sob supervisão de Anderson Costolli 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade