Publicidade

Correio Braziliense

Servidores da Novacap entram em greve e suspendem serviços

Categoria reivindica a manutenção do Acordo Coletivo de Trabalho e reajuste salarial. Serviços como o tapa-buracos e a poda de árvores ficam suspensos


postado em 26/03/2018 11:08 / atualizado em 26/03/2018 14:05

Com o início do movimento, serviços como tapa buracos e poda de árvores estão suspensos(foto: Paulo de Araujo/CB/D.A Press)
Com o início do movimento, serviços como tapa buracos e poda de árvores estão suspensos (foto: Paulo de Araujo/CB/D.A Press)
 
Os servidores da Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap) entraram em greve nesta segunda-feira (26/3). Além de reajuste salarial e de benefícios, a categoria reivindica a manutenção do Acordo Coletivo de Trabalho. Com o início do movimento, serviços como tapa-buracos e poda de árvores fcam suspensos.
 
A empresa informou, em nota, que se mantém aberta a negociações. "A direção da companhia procurará mitigar ao máximo os impactos sobre os serviços de atendimento à população e também os efeitos sobre serviços importantes prestados pela Novacap", destacou. O objetivo é alcançar um acordo até o próximo dia 31, quando vence o acordo coletivo. 

Outra reclamação do Sindicato dos Servidores e Empregados da Administração Direta, Fundacional, das Autarquias, Empresas Públicas (Sindser) é com relação à intenção da empresa de terceirizar a poda das árvores. A Novacap anunciou que pretende contratar 35 equipes para realizar o serviço em todas as regiões administrativas do DF.  
 
"A Novacap possui quadro próprio para esse tipo de serviço que exige experiência na análise do tipo de poda, da saúde da árvore, entre outras técnicas que exigem qualificação profissional", informou o Sindser em nota. A categoria enfatiza, ainda, que a empresa terceirizada não leva em consideração essas questões e que, muitas vezes, os funcionários da estatal têm que refazer o trabalho. 

A Novacap chegou a abrir uma licitação para contratar o serviço, mas na terça-feira (20/3), o Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) suspendeu o processo por considerar que houve um aumento de valor muito grande em relação ao edital anterior: de R$ 12,5 milhões para R$ 51 milhões, uma variação é de aproximadamente 300% no preço dos contratos.

A empresa pública argumentou que a elevação do preço se deve ao maior número de equipes que serão contratadas. Em 2017, foram apenas oito, com atuação em 14 RAs. 

Greve do Detran

Os funcionários do Departamento de Trânsito (Detran) do DF estão em greve desde 13 de março. Entre as principais reivindicações, estão o pagamento da terceira parcela do reajuste salarial e jornada trabalhista de 30 horas. Na tarde desta segunda-feira (26/3), a categoria se reúne em assembleia para a apresentação de informes gerais e jurídicos, avaliação do movimento e debate sobre tentativas de reunião com a Casa Civil.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade