Publicidade

Correio Braziliense

Projeto destina R$ 1,4 mi para levar mais água à zona rural de Brazlândia

Iniciativa foi aprovada pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Parnaíba e busca beneficiar uma das regiões do DF que mais sofrem com a crise hídrica


postado em 28/03/2018 11:21 / atualizado em 28/03/2018 11:33

Produtor rural em Brazlândia: região é uma das mais prejudicadas pela crise hídrica do DF(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press - 2/2/2016 )
Produtor rural em Brazlândia: região é uma das mais prejudicadas pela crise hídrica do DF (foto: Breno Fortes/CB/D.A Press - 2/2/2016 )
 
O Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Parnaíba investirá R$ 1,4 milhão em sete projetos para promover a segurança hídrica no Distrito Federal. Os principais beneficiários da iniciativa serão os produtores rurais de Brazlândia, uma das regiões administrativas mais atingidas pela escassez de água. O comitê, vinculado ao Conselho Nacional de Recursos Hídricos, aprovou a medida nesta quarta-feira (28/3).
 
O total a ser investido representa 60% do que foi cobrado dos usuários de água do DF pela captação nas bacias do Descoberto, do Pipiripau e do Paranoá, afluentes do Rio Parnaíba. A agência da bacia ficará responsável pelas obras, que deverão ficar prontas até o fim deste ano.  
 
Os projetos foram definidos pela Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do DF (Adasa), pela Empresa de Assistência Técnica de Extensão Rural do DF (Emater), pela Caesb e pela Secretaria de Agricultura. 
 

Reservatórios e poços 

Estão previstas a instalação de 180 reservatórios revestidos em lona para armazenamento de água; a implantação de nove poços tubulares, para propiciar irrigação agrícola nos meses de seca e reduzir o conflito com o consumo humano; e a instalação de 21 hidrômetros para controle do recurso.  
 
Além disso, o projeto visa à conservação de água e do solo da Bacia Hidrográfica do Alto Descoberto e do Pipiripau, capacitação, armazenamento e aproveitamento de águas pluviais em escolas públicas, recomposição de vegetação nativa do cerrado por semeadura direta e implantação de saneamento básico em comunidades rurais do DF, por meio de 100 estações de tratamento de efluente doméstico.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade