Publicidade

Correio Braziliense

Promotores do MPGO encontram 160 veículos vinculados à Diocese de Formosa

A suspeita é de que os veículos eram vendidos e o dinheiro não entrava de volta nos cofres da Igreja


postado em 28/03/2018 18:21 / atualizado em 28/03/2018 18:22

A relação de veículos foi encontrada na casa de um dos suspeitos de participar do esquema criminoso, o secretário da Cúria de Formosa, Guilherme Frederico Magalhães(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
A relação de veículos foi encontrada na casa de um dos suspeitos de participar do esquema criminoso, o secretário da Cúria de Formosa, Guilherme Frederico Magalhães (foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
 
Promotores do Ministério Público de Goiás (MPGO) encontraram nesta quarta-feira (28/3) mais irregularidades vinculadas à Diocese de Formosa (GO). Os investigadores tiveram acesso a um documento que mostra que a Cúria da região tem mais de 160 veículos registrados em seu nome. A apuração faz parte da Operação Caifás, deflagrada em 19 de março, que investiga o desvio de mais de R$ 2 milhões da Igreja Católica.
 
O promotor à frente do caso, Douglas Chegury, afirma que a relação de veículos foi encontrada na casa de um dos suspeitos de envolvimento com o esquema, o secretário da Cúria de Formosa, Guilherme Frederico Magalhães. Ele foi preso durante a operação, no entanto, a Justiça não decretou a prisão temporária dele. Guilherme ficou preso por cinco dias e saiu do Presídio de Formosa na sexta-feira (23/3).  
 
"A suspeita é de que os veículos eram vendidos e o dinheiro não entrava de volta nos cofres da Igreja. Além disso, eles continuavam registrados no nome da Cúria", explica Chegury. Até a última atualização desta reportagem, a investigação havia identificado esse tipo de atividade em apenas um dos carros.  

Chegury diz que solicitará o apoio do Departamento de Trânsito de Goiás (Detran-GO) para identificar a localização e os modelos dos automóveis. "Precisamos saber se esses veículos ainda estão sendo usados pela Igreja ou se foram vendidos a terceiros. Além disso, precisamos saber o motivo dos supostos compradores não terem feito a transferência de posse", comenta. Como os veículos estão vinculados ao nome da Igreja, eles ficam isentos de impostos.  

Habeas corpus 

Nessa terça-feira (27/3), o bispo dom José Ronaldo Ribeiro e o juiz eclesiástico Tiago Wenlcescau tentaram o segundo pedido de habeas corpus. Anteriormente, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) já havia negado a análise do pedido dos réus. A defesa encaminhou a solicitação ao Supremo Tribunal Federal (STF) e aguarda análise.  
 
Outros seis denunciados também tiveram o pedido de habeas corpus negados pelo Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO). Continuam presos o monsenhor Epitácio Cardozo Pereira, vigário-geral da Diocese de Formosa; os padres Moacyr Santana, pároco da Catedral Nossa Senhora Imaculada Conceição de Formosa; Mário Vieira de Brito, pároco da Paróquia São José Operário de Formosa; Waldson José de Melo, pároco da Paróquia Sagrada Família de Posse (GO), e os empresários Antônio Rubens Ferreira, e Pedro Henrique Costa Augusto, apontados como laranjas da quadrilha.  

Investigação 

A Operação Caifás, do Ministério Público de Goiás (MPGO), resultou na prisão de nove pessoas acusadas de desviar dinheiro de paróquias vinculadas à Diocese de Formosa. Até o momento, os investigadores dizem ter comprovado a compra de uma fazenda de gado em Formosa, uma lotérica em Posse (GO), duas caminhonetes, joias e moedas estrangeiras. Os itens estão avaliados em ao menos R$ 1,4 milhão. Durante a execução dos mandados, agentes apreenderam R$ 156 mil em espécie - R$ 8 mil em moeda estrangeira. Os relógios de marca encontrados estão sendo avaliados para estimar o valor de cada peça.     
 
Por causa do escândalo, o papa Francisco ordenou a abertura de uma investigação por parte da Igreja Católica brasileira. O MPGO entregou uma cópia do inquérito à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). A apuração da Santa Sé não tem prazo. No entanto, admite o afastamento imediato e a expulsão, caso seja comprovada a culpa, de dom José Ronaldo Ribeiro. Para manter as atividades da Igreja na região e tranquilizar os fiéis, Francisco nomeou o arcebispo de Uberaba (MG), dom Paulo Mendes Peixoto, administrador apostólico da diocese de Formosa. Ele assumiu a função na quinta-feira. Ao Correio, disse estudar uma auditoria pública nas contas da diocese de Formosa.   

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade