Publicidade

Correio Braziliense

Adax do zoológico de Brasília morre durante tentativa de manejo

O bovídeo ficou preso em um dos portões e veterinários tentaram salvá-lo por 16 horas seguidas


postado em 30/03/2018 12:57 / atualizado em 30/03/2018 14:04

Animal reagiu de forma agressiva durante o manejo, informou a comunicação do zoo(foto: Gustavo Moreno/CB/D.A Press)
Animal reagiu de forma agressiva durante o manejo, informou a comunicação do zoo (foto: Gustavo Moreno/CB/D.A Press)
 

Uma adax do Zoológico de Brasília morreu nesta quinta-feira (29/3), durante o manejo, em uma área de manobra. O animal reagiu de forma agressiva ao manejo, se prendeu em um dos portões e "apresentou sinais de miopatia", segundo nota divulgada pelo Zoológico. A equipe de veterinários trabalhou por 16 horas seguidas, mas não conseguiu salvá-lo.

De acordo com informaçõs do Zoo, o animal "amanheceu com uma luxação no membro posterior esquerdo". Para cuidar do ferimento, tratadores precisavam levá-lo para uma área com menos espaço, "a fim de reduzir os movimentos e assim prover condições para uma pronta recuperação." Foi no momento desse translado que o bicho se prendeu a um dos portões. Os veterinários foram chamados e trabalharam com o animal até as 8h30 de ontem. "O laudo de necropsia está sendo concluído e irá compor o prontuário oficial", informou a instituição.

Mortes recentes

Essa é a terceira morte de animais no Zoológico de Brasília somente nos primeiros três meses de 2018. A girafa Yvelise morreu no último dia 24, após uma necrose no cólon, provocada pela torção de uma das alças intestinais.

Em 7 de janeiro, o elefante Babu foi encontrado morto. Uma das hipóteses é que o animal tenha sido intoxicado propositalmente, já que veterinários encontraram chumbo, arsênio, mercúrio e elementos cumarínicos (composto químico tóxico) após exames no animal. À época, a instituição admitiu que esses elementos são atípicos à rotina do local.

Pesar

Ainda segundo o Zoo, a equipe está triste com o ocorrido. "Reafirmamos o nosso compromisso de termos uma equipe prontamente disponível de tratadores, médicos veterinários, biólogos e zootecnistas para o atendimento não só dos animais do plantel, como também, dos animais encaminhados pelos Órgãos Ambientais, vítimas do tráfico de animais, maus tratos e atropelamentos."

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade