Publicidade

Correio Braziliense

Família celebra 100 anos do pioneiro Agapito de Sousa

Churrasco de comemoração contou com cerca de 50 pessoas


postado em 01/04/2018 08:00 / atualizado em 01/04/2018 09:17

O aniversariante Agapito (ao centro), com a mulher e cinco dos filhos(foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
O aniversariante Agapito (ao centro), com a mulher e cinco dos filhos (foto: Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press)
 
Uma grande família se reuniu na tarde de ontem, em Taguatinga, para celebrar os 100 anos de Agapito de Sousa, pioneiro de Brasília. Nascido em Sobral (CE), ele chegou à capital em 1959, em busca de emprego. Conseguiu trabalho como serralheiro e se tornou encarregado de uma empresa de engenharia.

Entre filhos, netos, bisnetos e amigos, o churrasco de comemoração contou com cerca de 50 pessoas. Enquanto as crianças e os adolescentes brincavam no gramado e pulavam na piscina, os demais lembravam e se divertiam com diversas histórias. Entre elas, uma época em que a cidade era lotada de barro e vários bailes aconteciam nos clubes.

Em bate-papo com o Correio, Agapito contou sobre a vinda de Fortaleza, onde morava, para a cidade tão sonhada por Juscelino Kubitschek. “Sou meio doido. Quando penso em fazer as coisas, vou lá e faço. Fui visitar a minha tia e ela me contou que recebeu uma visita de pessoas de Brasília que ganhavam muito dinheiro. Logo decidi me mudar”. Ele nunca havia trabalhado como serralheiro.

Agapito só voltou ao Ceará no início de 1960, para buscar a família — eram então cinco filhos. “Ele me trouxe em uma caixa de papelão, em um pau de arara, quando eu era recém-nascida”, conta Vilene, 58. Em Brasília, a mulher de Agapito, Maria Vilany, 83, engravidou duas vezes. Eles moraram por dois meses na Cidade Livre, atual Núcleo Bandeirante, e três anos na Vila Planalto. Mudaram-se para Taguatinga, onde permanecem até hoje. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade