Publicidade

Correio Braziliense

Menina empurrada de ônibus não corre risco de perder a visão, diz avó

A menina e a mãe foram arremessadas de ônibus em movimento durante assalto. A criança foi transferida do HRT para o Hospital de Base e está se recuperando


postado em 01/04/2018 14:40 / atualizado em 01/04/2018 17:08

Criança ficou bastante machucada, mas está se recuperando(foto: Reprodução/ Vídeo)
Criança ficou bastante machucada, mas está se recuperando (foto: Reprodução/ Vídeo)

 

A menina de 8 anos de idade que foi empurrada de um ônibus em movimento, na quinta-feira (29/3), foi transferida do Hospital Regional de Taguatinga (HRT) para o Hospital de Base (IHBB). Segundo a avó da criança, ele teve muitos ferimentos pelo corpo, sendo o mais grave no olho direito. No entanto, segundo ela, a menina não corre riscos de perder a visão.

 

“Ela precisou ser transferida porque no HRT não tinha um aparelho de tomografia. Na sexta-feira (30/3), conseguimos uma vaga para ela no Hospital de Base. Segundo os laudos dos oftalmologistas, ela não corre o risco de perder a visão”, contou a servidora pública Inez Lopes, 51 anos.

 

Além disso, ela disse que a menina está se recuperando aos poucos. “Está conversando e reconhecendo as pessoas. Isso é um alívio”, comentou Inez. A mãe da menina, que também foi arremessada do ônibus, já recebeu alta do HRT. “Na sexta-feira, ela foi liberada pelos médicos. Ela ainda está tomando medicamentos, porque quebrou a perna esquerda, e precisou engessar”, continuou Inez. 

 

Ainda preocupada com a neta, ela lamentou o que aconteceu. “Não tem explicação. Vivemos em um lugar com bastante violência. Ainda não consigo acreditar. Foi algo muito terrível”, desabafou.

 

Ajuda de estudante

 

A estudante de enfermagem Larissa Pessoa, 20, ajudou as vítimas depois que elas caíram do veículo. “A menina estava desacordada no chão, e tendo convulsões. O motorista do ônibus que eu estava decidiu levá-la até o posto do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), na QN 309. No percurso, tentei acordá-la. Com muito esforço, ela começou a abrir os olhos. Então, eu fiquei conversando com ela e fazendo algumas perguntas para que ela ficasse acordada”, contou.

 

A estudante ficou ao lado da criança durante o atendimento do Samu. De acordo com Larissa, a menina estava muito assustada. “Ela me pediu pra que ficasse segurando a sua mão. Ela estava muito nervosa e confusa, se questionando a cada cinco minutos o que havia acontecido. Começou a se desesperar, porque não estava enxergando. Juntamente com o Samu, tentei acalmá-la, fazendo carinhos”, explicou. 

 

Relembre o caso

 

Na quinta-feira, uma mulher e a sua filha, de 8 anos, foram arremessadas por dois assaltantes para fora de um ônibus, em Samambaia. No momento do crime, o veículo estava a aproximadamente 30km/h. A menina foi empurrada depois que se assustou com a ação dos dois envolvidos. Após isso, a mãe também foi jogada pelo criminoso para fora do ônibus. A 32ª Delegacia de Polícia (Samambaia Sul) investiga o caso, mas ainda não identificou os suspeitos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade