Publicidade

Correio Braziliense

Mãe e filho de 4 anos são internados após comer brigadeiro com maconha

Mãe e filho tiveram dores estomacais e mal estar após ingestão de brigadeiro supostamente feito com maconha e uma outra droga. A própria mãe teria feito o doce com os entorpecentes


postado em 03/04/2018 15:18 / atualizado em 03/04/2018 16:57

Um menino de 4 anos e a mãe dele, de 24, foram internados com dores estomacais e mal estar depois de comerem um brigadeiro feito supostamente com maconha, no último domingo (1º/4). Segundo a Polícia Civil, a mulher informou ao médico que usou o entorpecente e outra droga que ela não informou o nome, no preparo do alimento. 

Mãe e filho vivem em Cidade Ocidental, cidade goiana distante cerca de 50km de Brasília. Eles receberam alta nesta segunda (2/4) e, depois disso, a mulher não foi mais vista. O menino foi encaminhado junto com seus dois irmãos gêmeos, de 1 ano, para um abrigo pelo Conselho Tutelar de Cidade Ocidental. As crianças mais novas permaneceram sozinhas em casa durante o atendimento médico às vítimas de intoxicação.

O delegado Daniel Marcelino, da Delegacia de Polícia de Cidade Ocidental, responsável pelas investigações, disse que foi feita perícia na casa onde vivem a mulher e os filhos. O resultado, ainda sem data para ser divulgado, vai determinar quais as substâncias presentes no brigadeiro e a quantidade ingerida por mãe e filho.

O policial pondera que os dois possam ter passado mal por outro ingrediente da receita, que não a maconha. Ela pode ter usado também produtos de má qualidade ou sem condições de uso, como o caso de itens fora do prazo de validade, por exemplo. “Só depois da perícia é que podemos esclarecer o fato, saber se ela colocou mesmo maconha e que outra droga é essa que ela não soube informar. Comprovando que ela sabia do teor da substância, e de acordo com o que a perícia disser, ela pode até ser enquadrada por tentativa de homicídio”, declarou Daniel.

Segundo ele, a mulher pode responder por esse crime porque ela assumiu o risco de matar a criança ao colocar uma substância química na receita do brigadeiro. O delegado acrescentou que a mulher também pode responder por tráfico de drogas. "Pela lei, mesmo que tenha fornecido gratuitamente, quem cede drogas para uma terceira pessoa comete tráfico.Foi o que ela fez ao colocar a maconha no brigadeiro." Este crime tem pena de 5 a 15 anos de prisão. A tentativa de homicídio pode levar a 4 a 15 anos de reclusão.

Condições precárias

De acordo com a conselheira tutelar Rafaela Mendes, a casa onde vivem a mãe e os três filhos está em péssimas condições de higiene, com fezes de cachorro espalhadas e sinais de abandono. A família tem um pitibul. “Não tinha um ovo na geladeira. Os vizinhos nos informaram que eles é que davam comida para as crianças e que a família passava por necessidade e chegaram a denunciar maus tratos”, contou Rafaela.

Testemunhas relataram que a família é de São Paulo, por isso não havia ninguém que pudesse ficar com as crianças. O caso foi levado para o Juizado de Menores de Cidade Ocidental. A Polícia Civil declarou que não há informações sobre a ocupação da mulher, nem se mais pessoas moravam no local. “Procuramos parentes, mas não encontramos. O que fizemos foi retirar as crianças da situação de risco. Elas estão em poder do estado até que o juiz tome uma decisão", afirmou Rafaela.

Segundo o delegado Daniel Marcelino, uma pessoa que se identificou como avó dos meninos procurou a polícia e se prontificou a cuidar das crianças. "Vamos ter que ouvi-la para esclarecer como era a situação da família."

Polícia e Conselho Tutelar foram informados de que a mulher que supostamente colocou maconha no brigadeiro tem um namorado, que também não havia sido encontrado até a tarde desta terça (3/4). 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade