Publicidade

Correio Braziliense

Polícia identifica suspeito de matar universitária em Taguatinga

Jéssica Leite César, 20 anos, era estudante de jornalismo da Universidade Católica de Brasília (UCB)


postado em 06/04/2018 08:20 / atualizado em 06/04/2018 18:52

A estudante ia para faculdade, quando foi abordada por um homem, que tentou roubá-la por volta de 16h30(foto: Divulgação/Facebook)
A estudante ia para faculdade, quando foi abordada por um homem, que tentou roubá-la por volta de 16h30 (foto: Divulgação/Facebook)
 

Agentes da Coordenação de Repressão a Homicídio e de Proteção à Pessoa (CHPP) identificaram um dos suspeitos de matar a estudante Jéssica Leite Cesar, 20 anos. Diego Morão de Amorim, 25 anos, e Tatiana Pinto de Oliveira, 29 anos, são apontados como responsáveis pela morte da universitária. O crime aconteceu em 14 de junho de 2016, na QNL 23, em Taguatinga Norte. A investigação trata o crime como latrocínio. A mulher ainda não foi presa.
  
A estudante ia para faculdade por volta de 16h30, quando foi abordada pelo casal, que tentaram roubá-la. Os criminosos abordaram Jéssica e tentaram puxar o celular dela, em seguida, ela puxou o aparelho de volta, quando Diego a esfaqueou.  
 
Eles fugiram para uma igreja próxima ao local do crime, onde se lavaram, tentando se livrar do sangue da vítima. Dias após o crime, a dupla vendeu o celular em uma feira em Ceilândia. Diego foi preso em 2017, por roubo e permanece na Papuda. Agora, ele e Tatiana serão indiciados por latrocínio.  
 
As investigações começaram na 17ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Norte), mas foram concluídas pela CHPP. Os investigadores identificaram o autor e representaram judicialmente a prisão preventiva dele. Depoimento de testemunhas levaram os agentes até os suspeitos.  
 
Na época do crime, os agentes apontaram o casal como possível autor do latrocínio. A hipótese surgiu pelas características das roupas usadas pelos acusados. Eles prestaram depoimento na unidade policial, contudo, Diego confessou o crime em março deste ano, na sede da CHPP. 
 
"Em depoimento, ele detalhou como foi a ação, que confirmou as informações levantadas durante a investigação. Contudo, Diego alegou ter agido sozinho, o que se diferencia do depoimento prestado por testemunhas, que em depoimento, disseram que Tatiana revirava a bolsa da vítima durante a ação", esclarece o delegado-chefe da unidade, Felipe Augusto Vilela Campos.
 
A investigação seguiu a linha de latrocínio por conta das evidências colhidas de que a área do crime, o ponto comunitário do local, é conhecido como ponto de uso de drogas por viciados. O casal teria inclusive, feito uso de substâncias ilícitas antes de comer o crime. 
 
Para o amigo de infância da vítima Thiago Leite, 26 anos, a notícia trouxe alívio. “Eu fico até sem palavras com tudo isso. Mas acredito que a prisão dele trará conforto para a família, sobretudo para a mãe, quem mais sofria com a situação. Agora, ela pode ficar em paz”, disse. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade