Publicidade

Correio Braziliense

Segurança é morto dentro de parque aquático em Planaltina

Crime aconteceu na madrugada desta segunda-feira (9/4). Vítima tinha 44 anos. Antigo funcionário é um dos principais suspeitos


postado em 09/04/2018 18:10 / atualizado em 09/04/2018 18:10

Crime está sendo investigado pela 31ª DP e um dos suspeitos é ex-funcionário do parque(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
Crime está sendo investigado pela 31ª DP e um dos suspeitos é ex-funcionário do parque (foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)

 
Um homem de 44 anos foi encontrado morto no Acqua Cerrado Park Hotel, parque aquático de Planaltina, na madrugada desta segunda-feira (9/4). O segurança patrimonial Ronaldo Cesar Magalhães dos Santos, que trabalhava há dois anos no local, morreu após ser atingido a facadas por dois criminosos. 

O caso aconteceu por volta das 2h. Após desligarem o disjuntor geral de energia do estabelecimento, dois homens encapuzados entraram no parque e foram em direção à sala de Ronaldo. Segundo informações da Polícia Civil, o segurança teria tentado se defender, pois foram encontrados sinais de luta corporal na cena do crime.

De acordo com a perícia, aparentemente, a morte foi causada por um objeto cortante. Os criminosos usaram uma faca para agredir o segurança, que morreu no local. Durante a briga, Ronaldo também feriu um dos suspeitos. A PCDF identificou gotas de sangue do lado de fora do cômodo, que trilhavam para a entrada do parque. 

Ex-funcionário é suspeito


Horas depois do crime, um homem deu entrada ao Hospital Regional de Planaltina (HRP), devido a um ferimento no braço, e a Polícia Civil suspeita de que ele seja um dos envolvidos na morte de Ronaldo. A 31ª Delegacia de Polícia (Planaltina) investiga o caso. 

"Desde a hora que recebemos a informação de que ele havia procurado atendimento, estamos coletando material para avaliar se ele participou desse crime. Temos fortes indicativos de que este homem é um dos envolvidos. No momento, ele permanece sob custódia. Assim que ele for liberado, pode ser autuado em flagrante", disse o delegado da 31ª DP, Waldemar Tassara.

O dono do Acqua Cerrado Park Hotel, Raimundo Fernandes, disse que o homem havia trabalhado no parque como diarista e que sempre aparentou ser uma pessoa tranquila. Raimundo ficou transtornado com o crime. "O Ronaldo era um homem trabalhador e comprometido. Uma pessoa de bem. Estamos com o coração rachado. Não somos apenas uma instituição, somos uma família", lamentou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade