Publicidade

Correio Braziliense

Polícia Militar e Agefis desocupam áreas perto da UnB, na 613 Norte

Segundo os órgãos responsáveis pea desocupação, ao menos 40 famílias viviam no local há mais de um ano. Um mandado de prisão por homicídio e outro por tráfico de drogas foram cumpridos durante a ação


postado em 12/04/2018 13:55

Aproximadamente 90 servidores participam da desocupação, que começou por volta das 10h da manhã e deve se estender durante a tarde(foto: Hellen Leite/CB)
Aproximadamente 90 servidores participam da desocupação, que começou por volta das 10h da manhã e deve se estender durante a tarde (foto: Hellen Leite/CB)

Uma operação da Polícia Militar (PMDF) em conjunto com a Agefis desocupou duas áreas próximas a Universidade de Brasília (UnB), na 613 Norte, nesta quinta-feira (12/4). Segundo a Agefis, 45 barracos foram desconstituídos, 12 animais apreendidos por maus tratos e três pontos de energia elétrica ilegal foram desligados. 

Segundo os órgãos responsáveis pela desocupação, ao menos 40 famílias viviam no local há mais de um ano. “Essa área é objeto de denúncias tanto por parte de moradores, quanto de alunos da UnB e administração da cidade”, diz a superintendente de resíduos da Agefis, Francisca Marinho. 


Aproximadamente 90 servidores participam da desocupação, que começou por volta das 10h da manhã e deve se estender durante a tarde. Mesmo com o clima aparentemente tranquilo, manifestantes ativistas protestavam contra a maneira com que a desocupação estava sendo feita. 

“Eu passo por aqui todos os dias, não me sinto ameaçada por eles e o que acho mais absurdo é que passaram por cima de todo o trabalho deles”, reclama a servidora pública Fernanda Pieruzzi . Ela estava seguindo para o trabalho, quando viu a desocupação e resolveu parar no local. “Eu só espero que devolvam o material reciclável”, lamenta.

Com a filha de 3 anos no colo, a catadora de material reciclável, Carla Silva, 18 anos, conta que nesta noite vai dormir em uma barraca. “Não deu tempo de tirar muita coisa, a única coisa que conseguimos tirar foi uma barraca. Eu e minha filha estamos com a roupa do corpo”. 

A Agefis argumenta que todo o material reciclável dos catadores que estava separado será devolvido, já o material que não estava condicionado da maneira correta será enviado a uma cooperativa indicada pelo Serviço de Limpeza Urbana (SLU).

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade