Publicidade

Correio Braziliense

Homens são detidos após fazerem ritual de 'magia negra' com filhote

Na delegacia, os suspeitos alegaram que queriam fazer um "ritual de purificação". Dupla chegou a enterrar o animal vivo. O filhote de cachorro morreu em um hospital veterinário do Lago Sul


postado em 14/04/2018 15:06 / atualizado em 14/04/2018 19:17

Filhote foi resgatado com vida, mas não resistiu aos ferimentos(foto: Reprodução/PMDF)
Filhote foi resgatado com vida, mas não resistiu aos ferimentos (foto: Reprodução/PMDF)
Dois homens foram encaminhados para a 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul), depois de maltratarem um filhote de cachorro. Na manhã deste sábado (14/4), policiais militares surpreenderam a dupla na QE 5 do Guará. No momento da abordagem, os homens estavam enterrando o animal, que ainda estava vivo.

O cachorro foi encontrado com muitos ferimentos, e levado para um hospital veterinário do Lago Sul, onde morreu. O animal teve um afundamento de crânio, devido às pedradas que recebeu dos homens. Além disso, o filhote estava com a mandíbula quebrada e outras fraturas pelo corpo.

A dupla foi presa no local do fato, e levada para a 1ª DP, onde foi autuada por crueldade com animais. Os dois assinaram um termo circunstanciado, e se comprometeram a comparecer em juízo quando forem intimados. Os homens foram liberados.

De acordo com a legislação brasileira, quem maltrata animais está sujeito a uma pena de detenção, de três meses a um ano, e multa. Apesar disso, os delitos contra a fauna são considerados como crimes de menor potencial ofensivo. Dessa forma, o criminoso pode conseguir penas alternativas à prisão, como a prestação de serviços à comunidade ou pagamento de cesta básica.

A presidente da comissao de defesa dos animais da Ordem dos Advogados do Brasil, Ana Paula de Vasconcelos, repudiou a ação dos homens. "A sensação é de impunidade. Esperamos mudanças na legislação, porque a punição para esse tipo de crime não é efetiva. Enquanto isso, esses criminosos vão continuar a cometer essas barbaridades", lamentou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade