Publicidade

Correio Braziliense

Entre o amor e a irreverência, artista leva a cara de Brasília para o mundo

Apaixonado pela cidade, artista radicado em Brasília faz releitura dos monumentos e pontos turísticos em criações bem-humoradas. Suas obras extrapolaram as fronteiras do Brasil e estão circulando em várias cidades e capitais do mundo


postado em 05/05/2018 07:00 / atualizado em 04/05/2018 22:59

Toninho Euzébio com telas onde estão impressas fotos tiradas por ele dos trabalhos que desenvolve(foto: Arquivo Pessoal)
Toninho Euzébio com telas onde estão impressas fotos tiradas por ele dos trabalhos que desenvolve (foto: Arquivo Pessoal)

O ex-presidente Juscelino Kubitschek empinando uma pipa do alto do seu monumento, no Memorial JK, ou Dois Candangos, na Praça dos Três Poderes, fazendo uma selfie. Apesar dessas cenas serem improváveis, foi dessa forma bem-humorada e irreverente que o artista plástico e publicitário Antônio Euzébio enxergou os dois pontos turísticos de Brasília, além de muitos outros. Aos 52 anos, Toninho Euzébio, como é mais conhecido, transformou as ideias em desenho e conseguiu levar o design característico da capital federal para outras cidades do mundo.

O trabalho de Toninho ganhou repercussão não apenas em galerias de arte, mas também em propagandas governamentais. Em 2016, o governo local comprou os direitos de uma das obras dele para produzir um comercial do Departamento de Trânsito (Detran-DF) sobre os 19 anos da faixa de pedestres. Mais recentemente, o artista foi contemplado em uma seleção da Secretaria de Esporte, Turismo e Lazer.  De 19 a 22 de maio, ele e outros 11 artistas de Brasília participarão da New York Design Week, no espaço Fresh from Brazil. Os trabalhos foram selecionados por meio de edital de chamamento público, divulgado em abril, e os artistas selecionados promoverão a arte brasiliense na feira Wanted Design.
 
Ver galeria . 14 Fotos Reprodução/Instagram
(foto: Reprodução/Instagram )
 
 
Embora não tenha como participar da mostra devido a outra viagem, Toninho terá quatro obras expostas em Nova York. São telas quadradas, com 45 centímetros de medida lateral, nas quais estão impressas fotos tiradas por ele. “Quando fui selecionado para uma exposição em março, achei que estivesse em um sonho e não acreditava muito. Essa nova escolha colocou meus pés no chão e me fez ver que estou no caminho certo. Vi que é por aqui mesmo que devo me dirigir e, claro, melhorar”, pondera.

A exposição de março, à qual Antônio se refere, também ocorreu em Nova York. Ele foi o único artista brasileiro com uma obra escolhida para participar da Armory Artweeks, uma coleção apresentada em várias cidades e capitais do mundo pela galeria suíça The Artbox  Gallery. A curadoria selecionou uma ilustração de Toninho que associa o formato da Ponte JK a uma pedra quicando na água. “Só de ter tido a possibilidade de participar e de terem me localizado, foi ótimo. Ser escolhido também foi fantástico, ainda mais podendo representar a cidade e levar as imagens de Brasília para lá”, celebra.

A mostra ocorreu entre 5 e 16 de março. Antônio conta que, quando a equipe da exposição entrou em contato pela internet, perguntaram se ele estava interessado em submeter outros trabalhos à curadoria. Apesar de terem selecionado apenas o desenho da ponte, Toninho conta que, quando chegou à metrópole norte-americana, viu que todas as 10 obras previamente inscritas estavam expostas. “Elas apareciam em um telão, com meu nome e país de origem, ao lado das de outros artistas. Fiquei 20 dias lá e, em termos de divulgação, meus trabalhos tiveram repercussão muito maior. Percebi, por exemplo, que mais pessoas passaram a me seguir no Instagram, principalmente perfis de outros países”, observa.

(foto: Arquivo Pessoal)
(foto: Arquivo Pessoal)

(foto: Arquivo Pessoal)
(foto: Arquivo Pessoal)

Criatividade


Amante de fotografia, Obdúlia Belmonte, 56 anos, é uma das clientes de Toninho. Ela descobriu o trabalho dele graças a uma amiga, que comentou sobre a beleza e criatividade das imagens feitas pelo artista. Após uma pesquisa na internet, ela conseguiu enviar uma mensagem para ele e saber como conhecer outros trabalhos dele. “Demorei quase um mês para encontrá-lo. À época, ele estava nos Estados Unidos. Quando voltou, acabei indo a um evento no Centro de Convenções Ulysses Guimarães do qual ele participava e encomendei dois quadros”, relembra.

Obdúlia comprou duas imagens em que Toninho registra ipês da capital. Admiradora do trabalho dele, a servidora pública diz que, agora, acompanha todas as publicações do artista na internet. “Outro ponto que me fez escolher as obras dele foi o fato de eu ser apaixonada por Brasília. É impressionante o que ele consegue fazer com um celular e um caderno de anotações. É de uma criatividade incrível. Estou na torcida por ele”, acrescenta.

Ilustrações requisitadas

Nascido em Goiânia, Antônio Euzébio veio para Brasília em 1972. Aqui, aprendeu a amar a cidade. Formado em publicidade e propaganda, atuou em agências como diretor de arte e diretor de criação. Após 30 anos na carreira, decidiu deixar as funções para se dedicar à família e conseguir mais tempo livre. Agora, atua como publicitário apenas de vez em quando, trabalhando principalmente com ilustrações para agências. “Estou fazendo mais trabalhos em casa, e o mais legal é que as agências têm me procurado pelos trabalhos artísticos que faço. Me tornei uma opção porque gostam dele”, afirma o artista.
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade