Publicidade

Correio Braziliense

Paralisação deixa usuários sem ônibus em cidades do DF no começo da manhã

Movimento dos funcionários da Urbi prejudicou o serviço em Recanto das Emas, Riacho Fundo, Samambaia, Taguatinga e Núcleo Bandeirante


postado em 07/05/2018 07:49 / atualizado em 07/05/2018 12:13

Trens ficaram lotados na Estação Taguatinga Sul do metrô(foto: Jacqueline Saraiva/CB/D.A Press)
Trens ficaram lotados na Estação Taguatinga Sul do metrô (foto: Jacqueline Saraiva/CB/D.A Press)
 
Uma paralisação-relâmpago de funcionários da Viação Urbi pegou desprevenidos, na manhã desta segunda-feira (7/5), os usuários do sistema de transporte das cidades atendidas pela empresa: Recanto das Emas, Riacho Fundo, Samambaia, Taguatinga e Núcleo Bandeirante. Com isso, as paradas nesses locais ficaram cheias logo cedo de manhã, prejudicando a chegada ao serviço de vários trabalhadores.

De acordo com os funcionários, o movimento se deve a problemas no pagamento dos planos de saúde. Por meio de nota, a empresa Urbi Mobilidade Urbana informa que os atrasos dos repasses ocorreram por conta da "situação de inadimplência do GDF junto à empresa, que ultrapassa a quantia de R$ 35 milhões, montante acumulado nos anos de 2015, 2016, 2017 e 2018". Ainda, esclareceu que os ônibus começaram a sair das garagens às 6h20. Contudo, o serviço foi sendo normalizado aos poucos, e o reflexos eram sentidos por volta das 7h30.
 
Em nota, o Transporte Urbano do Distrito Federal (DFTrans) informa que fez a transferêcia "de R$ 4,4 milhões à empresa Urbi, referente aos subsídios/gratuidades (Estudantil e Pessoas com Deficiência) e complemento tarifário", na última quinta-feira (3/5). "Já o repasse dos valores de Vale-Transporte e Cidadão é feito diariamente e está em dia. A autarquia esclarece, ainda, que as Dívidas de Exercícios Anteriores, de 2015 a 2017, com a Urbi chegam a R$ 14,8 milhões, mas a atual gestão vem realizando os pagamentos do exercício atual", completa.

A paralisação acabou refletindo no metrô, que se tornou a melhor opção para muitos passageiros. Na estação Taguatinga Sul, a reportagem viu trens partindo sem que todos conseguissem embarcar, de tão cheios que estavam os trens.

Segundo a vendedora Elisete Silva, que mora em Taguatinga e trabalha no Setor Comercial, é injustificável a paralisação quando ela não é comunicada à população com antecedência. "Se o salário deles foi pago, ticket foi pago também, não tem razão uma paralisação dessas assim de uma hora para outra. Deveriam primeiro falar com a empresa, entender por que não pagaram o plano de saúde e depois fazer alguma coisa. A gente apoiaria. Agora, da forma como foi, só vejo como irresponsabilidade. O prejuízo, de novo, é nosso", lamentou.
 
O pedreiro Antônio Silva conseguiu pegar um ônibus de outra empresa até a estação de Furnas, em Samambaia, na esperança de chegar à Asa Norte, mas também não conseguiu entrar nos dois primeiros trens que passaram. "Vou andar igual caranguejo agora, para trás. Porque vou ter que pegar o trem de volta até Samambaia Sul para ver se, de lá, eu consigo entrar. Teria que pegar um ônibus apenas e chegar ao serviço às 6h30. São quase 8h e ainda estou aqui batendo cabeça e rodando", reclamou.


Trânsito intenso

O trânsito ficou intenso nas principais vias do DF. As saídas do Recanto das Emas e de Samambaia pela BR-060 ficaram congestionadas além do habitual, aparentemente porque muitos moradores resolveram seguir para o trabalho de carro.
 
A mesma situação era vista na EPNB e na EPTG, que tinham tráfego intenso um pouco antes das 8h. Segundo os órgãos de trânsito, não há registro de acidentes, apenas excesso de carros. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade