Publicidade

Correio Braziliense

Procuradoria-Geral do DF pede suspensão do aumento na conta de água

A solicitação foi feita junto à Adasa. O reajuste de mais de 2% foi autorizado em 30 de abril


postado em 09/05/2018 22:00 / atualizado em 09/05/2018 22:06

(foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
(foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
Nesta quarta-feira (9/5), a Procuradoria-Geral do Distrito Federal (PGDF) apresentou pedido de reconsideração à Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico (Adasa-DF), para a suspensão do aumento de mais de 2% na conta de água dos brasilienses. O anúncio de que o Executivo recorreria para barrar o aumento ocorreu durante coletiva convocada pelo governador, Rodrigo Rollemberg (PSB)

O reajuste foi demandado pela Companhia de Saneamento Ambiental (Caesb) à Adasa para corrigir possível desequilíbrio econômico-financeiro ocasionados pela crise hídrica. A medida foi autorizada no fim de abril. 

O argumento da PGDF para barrar o reajuste foi de que a Caesb não apresentou comprovação da perda financeira. "A Caesb não muniu seu requerimento com informações sobre o aumento de custos relacionados à exploração de serviço, cingindo-se a fazer comparação entre as receitas projetadas e as receitas atuais", afirma o documento. 

A procuradoria alegou ainda que a tarifa de contingência cobrada durante o racionamento seria suficiente para balancear os custos adicionais. O documento destaca que, se aplicado o reajuste, a tarifa da companhia cresceria de 125% entre 2007 e 2017, enquanto a inflação nesse período foi de 90%.

Ao Correio, a assessoria da Caesb afirmou que vai acatar o que for decidido. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade