Publicidade

Correio Braziliense

Em audiência, Justiça converte prisão de Márcio Passos em preventiva

Márcio foi preso durante uma operação de combate à grilagem de terras, na quinta-feira (10/5). Ele é irmão do ex-deputado distrital Pedro Passos


postado em 11/05/2018 14:55 / atualizado em 11/05/2018 19:54

De acordo com a Polícia Civil, ele é alvo de 13 inquéritos(foto: Cadu Gomes/CB/D.A Press)
De acordo com a Polícia Civil, ele é alvo de 13 inquéritos (foto: Cadu Gomes/CB/D.A Press)
 
Márcio da Silva Passos, irmão do ex-deputado distrital Pedro Passos, teve a prisão em flagrante convertida em preventiva por porte ilegal de arma e munições de uso restrito. A decisão foi tomada em audiência de custódia no início da tarde desta sexta-feira (11/5).  Ele foi preso ontem, durante a Operação Batota, da  Polícia Civil, com foco no combate à grilagem de terras no Distrito Federal. Até a publicação desta matéria, a defesa se limitou a dizer, por mensagem de celular, que irá recorrer da decisão. 

A prisão preventiva não tem prazo para acabar e pode durar enquanto a polícia e a Justiça considerarem que há risco de o investigado atrapalhar as investigações, ou para manter a ordem pública. Márcio Passos foi detido em sua propriedade, em Sobradinho, quando agentes cumpriam mandado de busca e apreensão. Lá foram encontradas duas armas de fogo e 297 balas de diversos calibres. Desde então, Márcio Passos está detido na Delegacia de Polícia Especializada (DPE).

De acordo com a polícia, Márcio Passos é alvo de 13 inquéritos – entre associação criminosa, estelionato, parcelamento irregular do solo, furto qualificado e adulteração de sinal identificador de veículos. Ele é suspeito de liderar o grupo que invadiu, em 2013, uma área da Agência de Desenvolvimento do DF (Terracap). Durante a  busca na chácara, foram encontrados documentos que podem auxiliar na investigação do caso da Terracap.

Entretanto, o advogado de defesa Brian Alves Prado garantiu que a quantidade de inquéritos se refere a ações já tramitadas. O profissional afirma que, em alguns casos, Passos teria sido absolvido, enquanto outros foram arquivados. A declaração do profissional foi dada ao Correio no dia da prisão de Márcios Passos. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade