Publicidade

Correio Braziliense

Sargento da PM é preso por participação em roubo a bancos no entorno do DF

O militar de Goiás é suspeito de fornecer munição à quadrilha responsável por explosões em três agências


postado em 11/05/2018 21:45 / atualizado em 11/05/2018 22:29

As equipes encontraram munições, armas e parte do dinheiro roubado pela quadrilha responsável pelo roubo no Novo Gama(foto: PMGO/Divulgação)
As equipes encontraram munições, armas e parte do dinheiro roubado pela quadrilha responsável pelo roubo no Novo Gama (foto: PMGO/Divulgação)

Um sargento da Polícia Militar de Goiás (PCGO) foi preso na quinta-feira (10/5), suspeito de integrar uma quadrilha especializada em ataques a agências bancárias. De acordo com informações divulgadas em coletiva nesta sexta (11/5), o militar é responsável por fornecer a munição usada na explosão dos locais. Além do sargento, outro envolvido foi detido.

As investigações atribuíram ao grupo três ataques a bancos, em Valparaiso de Goiás e no Novo Gama, sendo dois deles em 5 de abril. O caso mais recente, na Avenida Principal do Pedregal, aconteceu no dia em que os agentes desarticularam o grupo. De acordo com a PMGO, a ação ocorreu de madrugada e durou aproximadamente 20 minutos. A quadrilha deixou o local em um veículo incendiado após a fuga. Na agência, os policiais encontraram cápsulas de fuzil 762, calibre 12 e ponto 40.

O primeiro responsável pelo crime foi encontrado pela Polícia Militar no Novo Gama. Ele confessou a participação e delatou o envolvimento do sargento. Um segundo suspeito foi localizado em uma chácara em Valparaíso de Goiás. Com a chegada das equipes, ele reagiu e acabou morto. O PM foi encontrado em Luziânia. Com ele, foram apreendidas armas, munições, um rádio comunicador e parte do dinheiro roubado. 

De acordo com o secretário de Segurança Pública de Goiás, Irapuan Costa Júnior, o militar está ativo na corporação e não foi trabalhar no dia do crime, alegando ter um familiar doente.  "Ele faltou em cima de uma mentira. Foi isso que mais pesou no momento da prisão. Trataremos o envolvimento do PM sem nenhuma complacência porque, além de participar da organização, ele está traindo os companheiros de farda", garantiu. 

Ainda segundo informações prestadas pela pasta, o grupo não tem relação com a quadrilha responsável pela série de ataques em Ipameri (GO), na terça-feira (8/5). Até o momento, um homem foi preso e outros cinco estão foragidos. A polícia recuperou joias, dinheiro, além de explosivos e objetos usados nos crimes. Os casos estão sob investigação do Grupo Antirroubo a Banco da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (GAB-DEIC), da Polícia Civil de Goiás. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade