Publicidade

Correio Braziliense

Estudante e idoso são presos no DF em operação de combate à pedofilia

Outro homem, morador do Park Way, foi detido. Em Valparaíso (GO), mais duas pessoas foram presas. Participaram da operação 95 agentes da Polícia Civil


postado em 17/05/2018 21:02 / atualizado em 17/05/2018 21:04

(foto: Cristiano Gomes/CB/D.A Press)
(foto: Cristiano Gomes/CB/D.A Press)
Um idoso de 69 anos, um morador do Park Way de 56 anos e um estudante de educação física foram presos no Distrito Federal em operação nacional de combate à pornografia. A ação, deflagrada na manhã desta quinta-feira (17/5), cumpriu 14 mandados de busca e apreensão em 11 cidades da capital: Taguatinga, Ceilândia, Recanto das Emas, Samambaia, Vicente Pires, São Sebastião, Asa Norte, Guará, Cruzeiro, Park Way e Planaltina. Em Valparaíso (GO), outras duas pessoas também foram detidas. 

O idoso é morador da Asa Norte e foi preso na operação, batizada de Luz da Infância, por armazenar e compartilhar conteúdo de pornografia infantil. Da mesma forma fazia um homem de 56 anos que vive com a mãe no Park Way. Como a transmissão do conteúdo é crime inafiançável, eles continuam presos. Já um estudante de educação física e recepcionista de 26 anos, morador do Cruzeiro Novo, foi detido por armazenava fotos e vídeos. No caso dele, cabe fiança. 

Para os trabalhos no DF, participaram 95 policiais, entre delegados, peritos criminais, agentes e escrivães de polícia. Os alvos foram identificados pela Diretoria de Inteligência da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Dint/Senasp/MESP), que entrou em contato com a PCDF e apontou os locais onde havia o compartilhamento de material pornográfico com participação de crianças e adolescentes. Agora, os peritos vão analisar os equipamentos apreendidos, como pen drives, computadores, celulares e até vídeo games.  

Quem for pego compartilhando ou fazendo download desse tipo de material pode pegar de um a quatro anos de reclusão. Para esse tipo de delito cabe fiança. Os criminosos que produzirem o material podem ficar presos de três a seis anos, sem direito a fiança.  
 
Essa foi a segunda fase da operação, que tem como objetivo apurar crimes que consistem no compartilhamento e armazenamento de material contendo cenas de sexo explícito e pornografia envolvendo crianças e adolescentes. As ações foram desempenhadas nos 24 estados e no Distrito Federal.
 
A nível nacional, foram emitidos mais de 500 mandados de busca e apreensão, resultando em 251 prisões em flagrante confirmadas: 128 pessoas na região Sudeste; 47 no Nordeste; 38 no Sul; 21 no Centro-Oeste; e 17 nos estados do Norte do país. O balanço final da operação deve ser divulgado nesta sexta-feira (18/5), afirmou o Ministério Extraordinário da Segurança Pública.  
 

157 mandados cumpridos em todo o país 

 
Na primeira fase da Operação Luz na Infância, em 20 de outubro do ano passado, foram cumpridos, em todo Brasil, 157 mandados de busca e apreensão de arquivos digitais. Foram presas 112 pessoas que utilizavam esses equipamentos para produzir, guardar ou compartilhar conteúdos na internet. 
 
A operação foi intitulada Luz na Infância por serem bárbaros e obscuros os crimes contra a dignidade sexual de crianças e adolescentes, justificou a Polícia Civil do DF. De acordo com a delegada Ana Cristina, responsável pela operação na capital, "os acusados, que agem nas sombras da internet, devem as condutas e julgadas, como a de qualquer criminoso".
 
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade