Publicidade

Correio Braziliense

Greve dos caminhoneiros: DF pode ficar sem água potável a partir de terça

Para garantir o abastecimento, escolta policial trará carreta com produtos químicos usados pela Caesb para tratar água distribuída à população do DF


postado em 25/05/2018 13:26 / atualizado em 25/05/2018 15:31

Produtos químicos usados no tratamento da água só duram até a próxima terça-feira (29/5)(foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
Produtos químicos usados no tratamento da água só duram até a próxima terça-feira (29/5) (foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
A greve dos caminhoneiros pode deixar o Distrito Federal sem água potável a partir da próxima terça-feira (29/5). Segundo a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), os estoques de produtos químicos utilizados para o tratamento de água nas unidades da estatal devem durar até a próxima terça-feira, e o caminhão que traria mais materiais está retido em Cristalina (GO), a 116km de Brasília.

Para garantir o abastecimento hídrico da capital federal, uma escolta policial será montada nesta sexta-feira (25/5) com o objetivo de assegurar a chegada da carreta com produtos químicos, como cloro, ao Distrito Federal. “Nós temos feito uma intervenção pontual. Vamos até o local onde estão retidos (os produtos e materiais), e com escolta da Polícia Federal e Rodoviária conseguimos superar esses casos mais críticos”, afirmou o chefe da Casa Civil, Sérgio Sampaio.
 
Por meio da assessoria de imprensa, a Caesb afirmou que espera que os artigos cheguem ao DF ainda hoje (25/5), evitando que os estoques da estatal acabem. O impacto da falta de gasolina ocorre também dentro da companhia. A Caesb determinou o uso prioritário de veículos para serviços considerados emergenciais e essenciais destinados à manutenção e à operação dos sistemas de saneamento básico. "Hoje, a empresa já enfrenta dificuldades para o deslocamento de suas viaturas", informou.
 
De acordo com a companhia, o rodízio do racionamento de água não será afetado.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade