Publicidade

Correio Braziliense

Protesto de servidores do ICMBio deve fechar a Água Mineral neste domingo

Manifestantes discordam da indicação de Cairo Tavares para o cargo de presidente do órgão


postado em 26/05/2018 20:56 / atualizado em 26/05/2018 21:01

(foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)
Em protesto contra a indicação de Cairo Tavares ao cargo de presidente do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade ICMBio, os servidores do órgão prometem fechar, neste domingo (27/5), o Parque Nacional de Brasília, onde fica a Água Mineral. 

O nome de Tavares, que é assessor legislativo filiado ao Partido Republicano da Ordem Social (Pros), é visto pelos manifestantes como barganha política. Ele teria sido indicado pelo presidente da legenda, Eurípedes Júnior, investigado pela Operação Lava-Jato por recebimento de propina. O partido nega.

Neste sábado (26/5), o presidente da Associação dos Servidores do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis no Distrito Federal (Asibama-DF), Jonas Corrêa, foi com alguns colegas à Água Mineral entregar uma carta aberta à sociedade pedindo ajuda para impedir a posse de Tavares. 

“Amanhã vamos lá novamente, mas o acesso ao público deverá ser impedido. Precisamos chamar a atenção, queremos que as pessoas atendam nosso chamado e impeçam esse movimento. O indicado não faz jus ao cargo”, reclama.

A possível indicação de Eurípedes sobre Cairo, considerado sem experiência em gestão pública, respinga na fraqueza do governo de Michel Temer, que tenta se unir aos partidos nanicos para ganhar musculatura. Em busca de apoio e disposto a oferecer suporte às pequenas legendas, o presidente da República distribui cargos na administração federal a partir da indicação até de investigados na Lava-Jato — caso do presidente do Pros, sobre quem recai acusações de recebimento propina de empreiteiras, via caixa 2, em troca de apoio à coligação da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), em 2014.

Questionado sobre o envolvimento de Eurípedes com Cairo Tavares, assessores de imprensa do partido afirmaram que “o presidente não tem nada a ver com isso”. O presidente do Pros está viajando e não foi encontrado pela reportagem. “Cairo é servidor da liderança na Câmara dos Deputados. O partido sempre deu liberdade institucional para a bancada e respeita seu posicionamento”, disse o representante da fundação mantida pela legenda, Felipe Espirito Santo.

O ICMBio controla 300 unidades de conservação no país, o que corresponde a 10% do território nacional. Pelas contas do Asibama-DF, são cerca de 1,6 mil servidores concursados e há outras centenas de comissionados. “Não é qualquer pessoa que consegue tomar conta dessa estrutura. Precisamos de alguém especializado”, reforça Jonas Corrêa.

Amigos do indicado saíram em defesa dele nas redes sociais. Em texto compartilhado no WhatsApp, disseram que “Tavares tem uma ligação direta com os temas da sustentabilidade e participação relevante na articulação de um seminário sobre o crescimento das energias renováveis, por meio da Câmara dos Deputados, que congregou entidades, associações, técnicos, especialista e parlamentares sensíveis ao tema de todo país”.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade