Publicidade

Correio Braziliense

Hotéis têm 5 mil reservas canceladas e restaurantes, prejuízo de R$ 80 mi

O número representa 30% do total de hospedagens previstas para o período. Donos de bares e de restaurantes amargaram prejuízo, com queda de 40% no movimento desde quinta-feira (24)


postado em 29/05/2018 18:00 / atualizado em 29/05/2018 20:21

(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)
(foto: Minervino Junior/CB/D.A Press)

 
Os hotéis do Distrito Federal tiveram 5 mil reservas canceladas até segunda-feira (28/5) em razão da crise de abastecimento causada pela greve de caminhoneiros. O número representa 30% do total de hospedagens previstas para o período. Donos de bares e de restaurantes amargaram prejuízo de R$ 80 milhões, com queda de 40% no movimento desde quinta-feira (24). O prejuízo total no ramo de entretenimento e turismo chega a R$220 milhões na capital federal. 

As informações são de balanço apresentado nesta terça-feira pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes do DF (Abrasel-DF) e da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH). Muitos dos hóspedes cancelaram as reservas em razão de mudanças nos voos ou por medo de não conseguirem voltar para casa.

Aproximadamente 50 eventos corporativos que aconteceriam dentro dos hotéis foram cancelados, causando prejuízos nas receitas com comidas, bebidas e locação dos locais. A palestra de Bernardinho, ex-técnico da seleção brasileira de vôlei, a Campus Party e a Feira Internacional do Livro de Brasília também acabaram adiadas.
 
Na avaliação do presidente da Abrasel-DF, Rodrigo Freire, a situação foi provocada principalmente pelo temor causado pela crise de abastecimento, já que, segundo ele, os estabelecimentos do DF mantêm a capacidade de operação. "Foi um misto dos dois - a crise e o susto. Estamos tendo uma situação inédita, mas temos que ter mais tranquilidade. Boa parte da queda se deu pela insegurança. Esperamos voltar à normalidade nas próximas duas semanas", afirmou.
 
Para ambas associações, o real problema não se deu pelo desabastecimentos de insumos, mas pela falta dos clientes. Adriana Pinto, presidente da ABIH-DF ressalta que, neste ponto, Brasília se diferencia das demais metrópoles. "São Paulo, Rio, Salvador, Belo Horizonte, por exemplo, enfrentaram problemas com carência de gás de cozinha, alimentos, falta de serviço das lavanderias. No DF não houve essa carência. Além disso, foi criado um grupo de gerenciamento de crise que ajuda nas operações da capital", disse. 
 
A expectativa é de que, após o feriado de Corpus Christi, a situação dos hotéis se estabilize.
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade