Publicidade

Correio Braziliense

Moradores filmam tamanduá-bandeira passeando em Sobradinho

Nas imagens, o tamanduá parece estar procurando algo no mato e, depois, desaparece no meio da vegetação


postado em 07/06/2018 12:00 / atualizado em 07/06/2018 12:01

O registro foi feito na última sexta-feira à noite(foto: Mariana Aerre e Rafael Nunes/Arquivo pessoal)
O registro foi feito na última sexta-feira à noite (foto: Mariana Aerre e Rafael Nunes/Arquivo pessoal)
 
Moradores registraram uma visita inusitada na saída de um condomínio no Grande Colorado, em Sobradinho. Mariana Aerre e Rafael Nunes filmaram o momento em que um tamanduá-bandeira passava às margens da pista, no sentido Lago Oeste.
 
O tamanho do animal chamou a atenção do casal. Nas imagens, ele parece estar procurando algo no mato e, em seguida, desaperece em meio à vegetação. Mariana e Rafael voltavam para casa, por volta das 20h da última sexta-feira (1º/6), quando viram o tamanduá e decidiram filmá-lo.
 
"Sempre vemos capivaras e animais maiores, como o lobo-guará, mas grande assim como esse tamanduá, foi a primeira vez", conta Mariana. 

 
O tamanduá é um mamífero nativo da América e vive em áreas abertas e florestas tropicais. É possível encontrá-lo em todos os biomas brasileiros: Caatinga, Amazônia, Mata Atlântica, Pantanal, Pampa, e o Cerrado, bioma predominante no Centro-Oeste.

Eles se alimentam de formigas e cupins. Usam as garras para abrir os cupinzeiros e os formigueiros. A língua, com diâmetro entre 1cm e 1,5cm e até 60cm de comprimento, é usada para capturar os alimentos. Os tamanduás são os únicos mamíferos terrestres que não têm dentes e, atualmente, estão na lista de risco de extinção. 
 

O que fazer ao encontrar um animal selvagem 

 
O biológo Ricardo Bomfim Machado, professor do Departamento de Zoologia da Universidade de Brasília (UnB), explica que o tamanduá é uma espécie inofensiva, desde que não seja provocada. Caso isso aconteça, ele pode se defender usando as garras, que são muito desenvolvidas e fortes, o que pode causar graves ferimentos a quem tentar enfrentá-lo.
 
Ao ver um animal selvagem, não há regra sobre o que fazer. "Não há muita coisa a fazer numa situação dessas, a não ser observar o belo tamanduá e deixá-lo seguir seu caminho. Não somente o tamanduá, mas outras espécies selvagens podem realizar deslocamentos entre as áreas nativas", detalha o especialista. "Na maioria das vezes, eles evitam a aproximação com os humanos. Acho que somos muito barulhentos e imprevisíveis para eles. Como estamos ocupando cada vez mais os espaços deles, os contatos acabam sendo inevitáveis", conclui. 
 
Se o animal estiver acuado ou se, eventualmente, entrou em um quintal ou casa e não conseguiu sair sozinho, a Polícia Ambiental deve ser acionada por meio do número 99351-5736. Os militares fazem a captura e soltura do animal em um local adequado. 

O que não se deve fazer é tentar se aproximar demais do animal para tirar fotos, tentar tocar nele e muito menos maltratá-lo. Se houver cachorro por perto, ele deve ser colocado em outro ambiente para que não entre em confronto com os animais selvagens. 

É muito comum, em áreas próximas às reservas ambientais ou parques, encontrar algum animal selvagem atravessando a pista. Por isso, é importante dirigir com a velocidade reduzida e com o farol sempre aceso, para evitar possíveis acidentes. "Às vezes, temos que ter o cuidado de não deixar que o animal se machuque ou tenha a chance de ser atropelado", orienta o biólogo Ricardo Bomfim.  

 
Resgates
Para pedir ajuda no resgate do animal, é preciso acionar a Polícia Ambiental pelo número 99351-5736 ou pelo 190 
 
* Estagiária sob supervisão de Mariana Niederauer 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade