Publicidade

Correio Braziliense

15 já foram presos no DF por furto de celulares em Parada LGBT em SP

As investigações, que duraram cerca de quatro meses, revelaram que havia uma rede especializada na subtração, receptação e inserção dos celulares furtados no mercado


postado em 07/06/2018 14:45 / atualizado em 07/06/2018 15:03

Nova mandados de prisão foram cumpridos hoje e outras seis pessoas foram presas na terça-feira (5/6)(foto: PCDF/Divulgação)
Nova mandados de prisão foram cumpridos hoje e outras seis pessoas foram presas na terça-feira (5/6) (foto: PCDF/Divulgação)
Nove mandados de prisão preventiva foram cumpridos no Distrito Federal, nesta quinta-feira (7/6), contra acusados de furtar celulares durante a Parada LGBT, em São Paulo, no último domingo (3), na Avenida Paulista. Ao todo, a Polícia Civil do DF já prendeu 15 pessoas. 

A ação faz parte da Operação Sem Conexão, que tem como objetivo desbaratar grupo criminoso especializado em furto e receptação de celulares em grandes eventos festivos.

As investigações, que duraram cerca de quatro meses, revelaram que havia uma rede especializada na subtração, receptação e inserção dos celulares furtados no mercado. Os autores se reuniam para planejar os crimes. Eles selecionavam eventos, em todo o país, que poderiam render mais lucro.
 
Havia, inclusive, de acordo com o delegado Ronney Matsui, da Coordenação de Repressão aos Crimes Patrimoniais (Corpatri), associados que transportavam os criminosos e recebiam, como pagamento, celulares furtados. “Eles eram motoristas de aplicativo de transporte e não tinham passagem criminal”, afirmou o delegado.
 

Combate ao comércio ilegal 

 
O diretor do Departamento de Gestão da Informação (DGI), delegado George Couto, ressaltou que a PCDF lançou o Programa Fora da Rede para bloquear celulares e combater o comércio ilegal dos aparelhos. Ele afirmou que houve uma redução de 18% dos furtos de celulares no Distrito Federal.
 
Na terça-feira (5/6), seis pessoas  - quatro homens e duas mulheres - foram presas pela Polícia Civil do Distrito Federal ao desembarcar na Rodoviária Interestadual de Brasília com 43 celulares. Com eles, também foram encontradas bandeiras do Orgulho LGBT, usadas para se infiltrar no evento como manifestantes e cometer os delitos. 
 
A Corpatri continua as investigações para verificar se há outras pessoas envolvidas nos crimes. Para combater o comércio ilegal de aparelhos celulares no Distrito Federal, a Polícia Civil disponibiliza canais para envio de informações, vídeos ou imagens. É possível denunciar pelo telefone 197, opção 0, pelo e-mail denuncia197@pcdf.df.gov.br ou pelo WhatsApp (61) 98626-1197.]

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade