Publicidade

Correio Braziliense

IPTU 2018: fique atento aos prazos e decida sobre a forma de pagamento

Quitação da cota única ou da primeira parcela começa a vencer na próxima segunda-feira (11). Especialista orienta como se organizar para fugir dos juros


postado em 07/06/2018 15:45 / atualizado em 07/06/2018 17:01

O pagamento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) começa na segunda-feira (11/6). A data de quitação das parcelas varia de acordo com o número de inscrição do imóvel. Quem deseja quitar a dívida à vista, ganha desconto de 5% sobre o valor total do tributo, mas é preciso estar atento à data de vencimento, uma vez que já tem boleto com último prazo para quitação nesta segunda-feira (11). 
 
Em todo o Distrito Federal, há cerca de 1 milhão de imóveis tributáveis e a expectativa para este ano, segundo a Lei Orçamentária Anual (LOA), é recolher R$ 775.575.045 com o imposto e mais R$ 154.149.385 com a Taxa de Limpeza Pública (TLP), totalizando previsão de praticamente R$ 930 milhões.

Programe- se!

Fique atento às datas de vencimento 
Calendário de pagamento alerta para as datas de vencimento do imposto, que pode ser quitado em cota única, com desconto de 5% sob o valor total, ou em em seis parcelas consecutivas(foto: Agência Brasília/Divulgação)
Calendário de pagamento alerta para as datas de vencimento do imposto, que pode ser quitado em cota única, com desconto de 5% sob o valor total, ou em em seis parcelas consecutivas (foto: Agência Brasília/Divulgação)
 
 
Quem conseguiu poupar e se preparou para pagar o imposto, geralmente decide fazer a quitação e aproveitar o desconto oferecido. Assim faz o empresário e jornalista Flávio Resende. O profissional comenta que costuma se programar financeiramente com antecedência para quitar a dívida à vista. "Eu vou fazendo uma poupança, pois sei mais ou menos o valor. Quando o cargê chega, pago a cota única e fico livro desse encargo", diz.
 
A opção do jornalista não é possível para muitos brasilienses. É o caso da comerciante e moradora de Taguatinga Maria Antônia Ferreira. Ela comenta que fez uma reforma na casa e acabou acumulando dívidas. Por isso, este ano ela vai preferir pagar parcelado para desafogar um pouco o orcamento. "Tive gastos altos com a reforma e pela primeira vez não vou poder pagar à vista. A opção de parcelar me deixa mais tranquila", comenta a comerciante. 

Será que vale a pena fazer sacrifíico para garantir o desconto oferecido ou parcelar é mais vantajoso? O professor e doutor em ciências contábeis da UnB Marilson Dantas traz algumas dicas para auxiliar a tomada de decisão:

O pagamento do IPTU deve ser feito à vista?
 
É preferível que sim, se o contribuinte tem recurso disponível para isso, aproveita o desconto e foge do risco de atrasar o pagamento das parcelas. A não quitação nas datas corretas tem incidência de multa e juros elevados.

Em quais circunstâncias é válido pagar parcelado? 
 
Pagamento parcelado possibilita que o contribuinte, que não disponha do recurso, pague sem a necessidade de recorrer a empréstimos, que podem ter juros superiores ao desconto concedido pelo governo.

Estou endividado(a), não tenho como pagar. O que faço?
 
A melhor saída é renegociar a dívida com o credor especialmente as mais antigas, que podem ter taxas de juros mais altas que as atuais. Outra dica é fazer uma lista das despesas por prioridades e organizar os pagamentos, inclusive os tributos. 
 
O que priorizar num momento de crise financeira?
 
É importante priorizar os pagamentos das dívidas e dos tributos, visto que esses podem levar até a penhora do bem, como no caso do IPTU, que pode resultar na perda da imóvel.
Além disso, buscar não fazer novas dívidas e diminuir seus custos permanentes. Como exemplo podemos citar o carro, que pode ser trocado por um veículo de menor valor neste momento de crise, e utilizar a diferença do valor para equilibrar as finanças.
 
Qual a melhor forma de poupar dinheiro e se programar para pagar esse imposto?
 
A melhor forma de poupar é, a partir da organização do orçamento mensal, identificar os períodos em que algumas despesas vão ocorrer, tais como IPTU, IRPJ, IPVA e outras como material escolar e didático dos filhos.

Para o educador financeiro, é importante manter as despesas controladas. Ele orienta que, para o próximo ano, o controle de finanças comece mais cedo. "Essas despesas que não ocorrem todos os meses costumam desequilibrar o orçamento. "Para poupar, estabeleça um valor mensal a ser reservado e que possa cobrir o conjunto desses custos pontuais. Assim, é possível aproveitar o desconto do pagamento antecipado e manter as despesas mensais controladas, evitando empréstimos a juros altos", aconselhou Marilson. 
 
* Estagiária sob a supervisão de Margareth Lourenço (Especial para o Correio

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade