Publicidade

Correio Braziliense

Como as empresas podem se preparar para a transformação digital

Evento na Ei! Comunidade de Aprendizagem para Empreendedores traz dicas e reflexões para empresários, executivos e investidores


postado em 10/06/2018 13:00

Empresários, executivos e investidores participam do evento Transformação digital - Todos os setores do mercado vão ter um líder digital, realizado pela Cotidiano Aceleradora de Startups no espaço da Ei! Comunidade de Aprendizagem para Empreendedores, da Fundação Assis Chateaubriand. Wesley Almeida, CEO da Cotidiano, traz reflexões e aprendizados trazidos do Vale do Silício.(foto: Camila de Magalhães/FAC/D.A Press)
Empresários, executivos e investidores participam do evento Transformação digital - Todos os setores do mercado vão ter um líder digital, realizado pela Cotidiano Aceleradora de Startups no espaço da Ei! Comunidade de Aprendizagem para Empreendedores, da Fundação Assis Chateaubriand. Wesley Almeida, CEO da Cotidiano, traz reflexões e aprendizados trazidos do Vale do Silício. (foto: Camila de Magalhães/FAC/D.A Press)

 
Sua empresa está preparada para a transformação digital? Esse foi o tema do evento realizado na sexta-feira pela Cotidiano, aceleradora de startups, no espaço da Ei! Comunidade de Aprendizagem para Empreendedores, da Fundação Assis Chateaubriand. Quem trouxe a reflexão para o encontro e compartilhou aprendizados do Vale do Silício foi o investidor Wesley Almeida, sócio da Cotidiano. Na avaliação dele, em breve todos os setores do mercado serão digitais. E as empresas líderes desses setores também devem ser digitais.

Para Wesley, o grande problema da maioria das empresas é que elas percebem a existência de novas tecnologias (que proporcionam uma melhor experiência e melhor serviço para os usuários), mas aquilo pode impactar a forma como a empresa trabalha. “É o que a gente chama de dilema da inovação. As grandes empresas percebem a transformação digital, mas não apostam nisso. Aí uma empresa emergente se aproveita disso e toma a posição daquela outra”, observa Wesley.  

E como proteger uma empresa do dilema da inovação, para que seja muito boa no que já faz hoje e não abra mão de uma inovação que está surgindo? Segundo Wesley, a resposta está em ter uma área focada em produtividade e eficiência, enquanto outra área pensa em transformação e inovação. “A inovação hoje é aberta, não é mais fechada dentro da empresa. Não é mais aquela ideia de que a empresa tem uma área de pesquisa e desenvolvimento que tem as ideias mais brilhantes e tudo de melhor vai sair dali. Ela está dentro do contexto de mercado, as ideias dela podem favorecer a ela, podem fazer o bem para fora, como também pode aproveitar ideias de outros e trazer para dentro de casa para ganhar vantagem competitiva.”
 
(foto: Camila de Magalhães/FAC/D.A Press)
(foto: Camila de Magalhães/FAC/D.A Press)
 

Para ser a empresa do futuro, destaca Wesley Almeida, é preciso estar aberto à inovação e permitir que a equipe pense fora da caixa, crie e falhe. “O fato é que executando as tarefas de hoje você não vai criar a empresa do futuro. Para ser um líder digital, você tem que se permitir fazer experimentos, falhar e aprender com isso. Esse é um ciclo de uma startup, um grupo de pessoas enxuto, barato e ágil, que faça essa interação várias vezes até achar uma oportunidade de negócio. Você tem que criar meios. E isso pode ser por parcerias, dinâmicas de empoderamento dos funcionários, aquisição de startups”, observa.

Um caminho para a inovação é o mudança de mindset dos executivos, acredita Mariana Borges, superintendente da Fundação Assis Chateaubriand. “É fundamental terem mais contato com o universo do empreendedorismo e da inovação e se conectarem ao ecossistema empreendedor, com outras empresas, startups, pessoas que estão criando novos modelos de gestão e formas de funcionamento para que absorvam essa nova cultura”, ressalta. Mariana aproveita para convidar os empresários da cidade a conhecerem a proposta da Ei! Comunidade de Aprendizagem para Empreendedores, que realiza diversos eventos e está com inscrições abertas para um curso de 6 meses voltado para quem deseja transformar seu negócio, desenvolver uma ideia ou inovar no trabalho. Informações: www.ei.org.br. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade